Saudosas pequenas – Super Aguri, parte II

Anthony_Davidson_2007_Brazil_free_practice

RIO DE JANEIRO – O primeiro ano da Super Aguri começou sofrível, como os leitores e leitoras puderam ver aqui no blog. Mas já ao fim do ano de 2006, a equipe começava a experimentar uma pequena evolução – que poderia de fato acontecer na segunda temporada do time que recebia motores Honda na Fórmula 1.

Para a temporada de 2007, o time se valeu de uma versão atualizada do Honda RA106, usado pelo time de Jenson Button e Rubens Barrichello. O carro tinha um novo motor desenvolvido pelos japoneses e uma moderna e levíssima caixa de câmbio revestida em carbono para melhorar o peso do conjunto no trem traseiro. Takuma Sato, o queridinho da montadora, ficou no time para mais uma temporada e chegou o britânico Anthony Davidson, que fizera aparições esporádicas com a Minardi em 2002 e uma corrida isolada com a BAR em 2005. No ano anterior, ele fora o terceiro piloto da Honda.

Super Aguri F1 Team SA06 First Run

A evolução da Super Aguri com o ‘novo’ carro, muito melhor que o Arrows A23 travestido de primeiro modelo do time, foi evidente logo no primeiro GP do ano, na Austrália. Sato passou para o Q3 e por pouco Davidson não fez o mesmo. Mas na corrida, o desempenho foi discreto: 12º lugar para o japonês e décimo-sexto para o britânico.

12514548780QmqiK

Os dois não impressionaram muito na Malásia e no Bahrein, mas quando começou a temporada europeia, Sato estava inspirado e em forma. No GP da Espanha, em Barcelona, o japonês largou em 13º e chegou em oitavo, marcando o primeiro ponto do time de Aguri Suzuki na Fórmula 1.

01_aguri_fs_450op

Após mais uma corrida discreta em Mônaco, Sato e a Aguri voltaram a fazer barulho no GP do Canadá. No circuito de Montreal, o japonês conseguiu um histórico sexto posto, ultrapassando ninguém menos que o bicampeão mundial Fernando Alonso, então na McLaren. Foi sem dúvida o maior momento da história da equipe. E na época, cheguei a ver uma narração sensacional da manobra do japa sobre “Don Fernando”, que sem dúvida Bernie Ecclestone mandou limar do YouTube. Mas a ultrapassagem está ao fim do vídeo abaixo.

O auge da Super Aguri em 2007 foi aí. Na segunda metade do campeonato, embora o time tivesse quatro pontos no Mundial de Construtores, faltou investimento e não havia patrocinadores para garantir um conforto financeiro até o fim do ano.

sato_aguri_sil_07_flickr

Como efeito, o desenvolvimento do SA07 foi congelado e a equipe não pôde fazer mais nada. E olha que a própria Honda teve um ano terrível, com Button marcando apenas seis pontos e Barrichello – fato inédito em sua longa carreira até aquela data – nenhum. A Super Aguri fechou o Mundial em nono lugar entre os construtores – mas sem nenhuma garantia de que algo poderia melhorar em 2008.

Amanhã, a terceira e última parte da história do time nipônico na Fórmula 1.

Anúncios

3 respostas em “Saudosas pequenas – Super Aguri, parte II

  1. incrivel essas materias Rodrigo, parabens…

    To ansioso pela hora da Minardi, e queria dar uma ideia.. quando acabar as equipes pq nao “pequenos pilotos” contando a historia dos menos vitoriosos porem sempre batalhadores…

    Adoraria ver uma materia da carreira do nosso Pupo Moreno.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s