Junho, um mês para ser esquecido

RIO DE JANEIRO – Há muito tempo um mês não era marcado por tanta tristeza no esporte a motor.

Tivemos as perdas do argentino José Froilán González, que era o mais velho vencedor de uma corrida de Fórmula 1 ainda vivo, de Jason Leffler nos Estados Unidos, de Allan Simonsen nas 24 Horas de Le Mans, do desconhecido Wolf Sylvester numa prova do VLN em Nürburgring e de Cristiano “Padeiro” Ferreira na Moto 1000GP aqui no Brasil, em Interlagos.

4046820130630115544

E logo no último dia de junho, mais uma tragédia: Andrea Mamè, gentleman driver italiano de 41 anos, empresário que tinha o automobilismo como hobby, morreu após um grave acidente sofrido na etapa de Paul Ricard do Blancpain Lamborghini Super Trofeo.

Uma pena que, mesmo em 2013, em tempos onde se discute tanto a segurança dos autódromos, ainda haja fatalidades do gênero. Automobilismo e Motociclismo são e sempre serão esportes de risco. Disso todos nós sabemos.

A nós, só resta lamentar que junho seja um mês a ser esquecido. Gostaria de fechar as postagens deste dia com uma boa notícia, mas infelizmente este post serve como um alerta para todo mundo.

Bis de Fittipaldi e Barbosa na Grand-Am

063013_WGI_BC_22837

RIO DE JANEIRO – O blogueiro costuma se vangloriar pouco do seu trabalho. Mas posso me permitir fazer uma observação: comentei duas corridas da Rolex Sports Car Series em transmissões ao vivo (Detroit foi em delay) no Fox Sports, onde trabalho há quase dois meses. E nas duas, venceu a mesma dupla: Christian Fittipaldi/João Barbosa. Primeiro, em Mid-Ohio. E hoje, de forma sensacional, nas 6 Horas de Watkins Glen, no tradicional circuito novaiorquino onde, há 43 anos, Emerson Fittipaldi, tio de Christian, venceu pela primeira vez na Fórmula 1.

A corrida teve todos os ingredientes possíveis: toques, rodadas, quebras de motor, bandeiras amarelas, rodadas, chuva forte e variáveis de estratégia que prenderam a atenção de todos na pista e na telinha. Ao fim de 171 voltas, prevaleceu o Corvette DP #5 da Action Express, com apenas 0″285 de vantagem para Michael Valiante/Stéphane Sarrazin, que chegaram em segundo. E tem um detalhe: João Barbosa foi prejudicado por uma rodada provocada pelo carro #3 da 8Star Motorsports, coincidentemente o de Valiante/Sarrazin, punido com um stop & hold de 60 segundos.

Com a vitória de Fittipaldi e Barbosa, o campeonato pegou fogo. Max Angelelli/Jordan Taylor, que tiveram um problema de transmissão logo na primeira volta e perderam seis voltas, imprimiram uma feroz recuperação para chegar em 10º lugar, descontando cinco das seis passagens perdidas. Mesmo assim, salvaram a liderança entre os pilotos, com 194 pontos, empatados com Alex Popow/Ryan Dalziel, que chegaram hoje em 8º, acompanhados do francês Sébastien Bourdais.

Christian chegou ao total de 190 pontos e está em 3º na classificação, um ponto à frente de Alex Gurney/Jon Fogarty e dois adiante de João Barbosa. O outro brasileiro na disputa, Oswaldo Negri, driblou um tornozelo ainda inchado no pé direito e fez uma corrida sensacional. Poderia ter completado uma histórica dobradinha de pilotos brasileiros em Glen, mas uma saída inesperada de pista, quando o piloto do Ford Riley evitou uma batida com o próprio compatriota, provocou um pit stop extra para a limpeza dos radiadores. Ozz e John Pew chegaram em 4º lugar.

Na classe GT, pela quarta vez no ano, triunfou o Camaro GT.R da Stevenson Motorsports, guiado por Robin Liddell/John Edwards, que completou 164 voltas e concluiu em 13º lugar na geral. A Ferrari F458 de Leh Keen/Anthony Lazzaro/Emil Assentato completou em segundo no grupo e em terceiro chegou o Porsche de John Potter/Richard Lietz/Andy Lally.

A classificação do campeonato apresenta Potter e Lally na liderança, agora com 199 pontos somados, contra 193 de Edwards/Liddell e do italiano Alessandro Balzan, que era o líder isolado e hoje foi apenas o 5º colocado. Lazzaro e Assentato ocupam o quarto posto, com 187 pontos.

Na GX, com três carros inscritos, somente o #00 de Joel Miller/Tristan Nunez/Yojiro Terada viu a quadriculada, chegando em 29º na geral. Apesar da quebra do motor do seu Porsche, Jim Norman ainda lidera com 233 pontos, contra 222 de Joel Miller e 215 de Tom Long/Sylvain Tremblay.

A próxima etapa da Rolex Sports Car Series será em Indianápolis, no circuito misto do templo sagrado do automobilismo estadunidense, dia 26 de julho.

Demolidor: Loeb destrói recorde de Pikes Peak

RIO DE JANEIRO – Sébastien Loeb é um monstro do automobilismo contemporâneo. Nove vezes campeão mundial de Rali, vice-campeão das 24 Horas de Le Mans, vencedor do X-Games e também no Race Of Champions (ROC), o piloto francês colocou mais uma nota positiva ao seu vasto e vitorioso currículo.

Hoje, o piloto de 39 anos foi um autêntico demolidor. A bordo do monstro que a Peugeot lhe preparou, com 875 HP de potência impulsionando um carro de 875 kg de peso – ou seja, com uma relação de um quilo por cavalo-força, Loeb pôs abaixo o recorde da tradicional subida de montanha de Pikes Peak, no Colorado.

Com o tempo de 8’13″878 (média de 140,743 km/h) para o percurso, o francês detonou em mais de um minuto e meio o recorde anterior, pertencente ao piloto neozelandês Rhys Millen, que a bordo de um Hyundai também superou a própria marca – só que, como todos os outros, foi humilhado por Loeb, já que ficou a 49 segundos do piloto do Peugeot 208 T16. O também francês Jean-Philippe Dayraut, com seu Mini Countrymen de mecânica Dacia, foi outro coadjuvante de luxo: acabou em 3º lugar, a 1’29” do compatriota.

Ao todo, 143 veículos, entre carros e motos, se apresentaram para a disputa do PPIHC. A realçar que Romain Dumas, 2º colocado no ano passado, enfrentou um problema elétrico a bordo do protótipo Norma M20FC PP e não completou o percurso. Simon Pagenaud, que estava inscrito com uma minivan Honda de motor central com 500 cavalos de potência, fez o tempo de 12’54″325.

O que importa, no fundo, é que Loeb faturou mais uma e mostrou o porquê de ser considerado um dos maiores pilotos de sua geração.

Chuva cancela qualificação em Glen e líderes partem da pole

RIO DE JANEIRO – A classificação para as 6 Horas de Watkins Glen, 7ª etapa da Rolex Sports Car Series, recebeu a visita da chuva, que cancelou as atividades de pista, especialmente na hora em que os DPs (Daytona Prototypes) iam fazer suas voltas de definição do grid de largada. Assim, com o treino cancelado, o grid será conhecido pela classificação dos pilotos no campeonato.

2013 Grand Am Mid Ohio

Isto posto, a pole position para a segunda corrida mais longa do ano, após as 24 Horas de Daytona, é de Jordan Taylor/Max Angelelli, com o Corvette (Dallara) #10 da escuderia Wayne Taylor Racing. Com 173 pontos, a dupla defende sua liderança na classificação, onde somam um ponto apenas de avanço para Jon Fogarty/Alex Gurney, que com o cancelamento do treino saem em segundo.

A terceira posição é do #2 da Starworks, que terá a bordo a dupla usual formada por Ryan Dalziel/Alex Popow, reforçados pelo francês Sébastien Bourdais. Christian Fittipaldi/João Barbosa, recém-vitoriosos em Mid-Ohio, sairão da 4ª posição, com Richard Westbrook/Ricky Taylor/Antonio Garcia em quinto e os atuais campeões Memo Rojas/Scott Pruett partindo de sexto.

2013 Grand Am Mid Ohio

Para Oswaldo Negri, 21º colocado no campeonato com apenas 43 pontos somados, não foi a melhor das notícias. O piloto do carro #60 tinha feito o melhor tempo na última sessão livre antes do classificatório e tinha ótimas expectativas. Só que além disso, os pontos de John Pew, décimo-sétimo com 90 unidades, não são suficientes para levar a dupla da Mike Shank Racing além da 13ª posição no grid de 14 protótipos da DP.

2013 Grand Am Mid Ohio

O grid das classes GT e GX foi definido, este sim, pelos tempos obtidos na classificação, uma vez que a chuva só caiu no finalzinho da sessão. A pole position ficou com o Camaro GT.R #57 de Robin Liddell, liderando os autênticos muscle cars estadunidenses na primeira fila da divisão, pois Eric Curran foi o segundo a bordo do Corvette C6-R (foto acima), ao marcar 1’52″781.

Em terceiro, ficou a Ferrari #61 de Max Papis/Jeff Segal/Toni Vilander, último carro a virar abaixo de 1’53” entre os bólidos da divisão de Grã-Turismo. O Audi #24 tripulado pelo português Filipe Albuquerque na qualificação ficou em quarto, seguido da BMW M3 de Bill Auberlen e da Ferrari F458 de Alessandro Balzan.

Na GX, Sylvain Tremblay sobrou, colocando 1″159 de frente para o Porsche de Spencer Pumpelly. O outro Mazda 6GX, guiado por Yojiro Terada, só completou duas voltas muito lentas e ficou com a última posição.

O Fox Sports transmite ao vivo as 6 Horas de Watkins Glen neste domingo a partir do meio-dia. Nas primeiras três horas, Hamilton Rodrigues narra e Thiago Alves comenta. As três últimas têm narração de Gustavo Villani e comentários do blogueiro que vos escreve.

Confira o grid completo:

1ª fila:

#10 Max Angelelli/Jordan Taylor (Wayne Taylor Racing/Corvette DP)
#99 Jon Fogarty/Alex Gurney (Gainsco-Bob Stallings Racing/Corvette DP)

2ª fila

#2 Alex Popow/Ryan Dalziel/Sébastien Bourdais (Starworks with Alex Popow/Ford Riley)
#5 Christian Fittipaldi/João Barbosa (Action Express Racing/Corvette DP)

3ª fila

#90 Richard Westbrook/Ricky Taylor/Antonio Garcia (Spirit of Daytona/Corvette DP)
#01 Memo Rojas/Scott Pruett (Chip Ganassi Racing/BMW Riley)

4ª fila

#42 Dane Cameron/Wayne Nonnamaker/Mark Wilkins (Team Sahlen/BMW Riley)
#9 Brian Frisselle/Burt Frisselle (Action Express Racing/Corvette DP)

5ª fila

#6 Gustavo Yacaman/Justin Wilson (Mike Shank Racing/Ford Riley)
#8 Brendon Hartley/Scott Mayer/Pierre Kaffer (Starworks Motorsport/Ford Riley)

6ª fila

#3 Enzo Potolicchio/Michael Valiante/Stéphane Sarrazin (8Star Motorsports/Corvette DP)
#43 Will Nonnamaker/Joe Nonnamaker/Joe Sahlen/Mark Wilkins (Team Sahlen/BMW Riley)

7ª fila

#60 Oswaldo Negri/John Pew (Mike Shank Racing/Ford Riley)
#4 Emilio Di Guida/Luis Diaz (8Star Motorsports/Corvette DP)

8ª fila

#57 Robin Liddell/John Edwards (Stevenson Motorsports/Camaro GT.R)
#31 Eric Curran/Boris Said (Marsh Racing/Corvette Z06 C6-R)

9ª fila

#61 Max Papis/Jeff Segal/Toni Vilander (R.Ferri/AIM Motorsport Racing With Ferrari/Ferrari F458 Italia Grand-Am)
#24 Felipe Albuquerque/Edoardo Mortara/Dion Von Moltke (Audi Sport Customer Racing/Audi R8 LMS Ultra Grand-Am)

10ª fila

#94 Bill Auberlen/Paul Dalla Lana/Billy Johnson (Turner Motorsport/BMW M3)
#63 Alessandro Balzan/Jeff Westphal/Craig Stanton (Scuderia Corsa/Ferrari F458 Italia Grand-Am)

11ª fila

#62 Andrew Davis/Jan Heylen/Madison Snow (Snow Racing/Wright Motorsports/Porsche 911 (997) GT3-R)
#73 Patrick Lindsey/Patrick Long/Bryan Sellers (Park Place Motorsports/Porsche 911 (997) GT3-R)

12ª fila

#69 Emil Assentato/Leh Keen/Anthony Lazzaro (AIM Motorsport Team FXDD With Ferrari/Ferrari F458 Italia Grand-Am)
#93 Pedro Lamy/Gunther Schaldach/Michael Marsal (Turner Motorsport/BMW M3)

13ª fila

#44 Andy Lally/Richard Lietz/John Potter (Magnus Racing/Porsche 911 (997) GT3-R)
#46 Al Carter/Charles Putman/Charlie Espenlaub (Fall-Line Motorsports/Audi R8 LMS Ultra Grand-Am)

14ª fila

#03 Guy Cosmo/Mike Hedlund/Johannes Van Overbeek (Extreme Speed Motorsports/Ferrari F458 Italia Grand-Am)
#18 Eduardo Costabal/Eliseo Salazar (Mühlner Motorsports America/Porsche 911 (997) GT3-R)

15ª fila

#55 Rui Águas/Robert Kauffmann (AF-Waltrip/Ferrari F458 Italia Grand-Am)
#80 Tom Haacker/Kelly Collins/Bryce Miller (TruSpeed Motorsports/Porsche 911 (997) GT3-R)

16ª fila

#70 Tom Long/Sylvain Tremblay/Andrew Carbonell (Speedsource/Mazda 6GX)
#38 Spencer Pumpelly/Jim Norman (BGB Motorsports/Porsche Cayman)

17ª fila

#00 Joel Miller/Tristan Nunez/Yojiro Terada (Visit Florida Racing/Speedsource/Mazda 6GX)

O CAMPEÃO VOLTOU!

FTC_NED_RAC_Rossi-2

RIO DE JANEIRO – Quase três anos de jejum. Fazendo as contas na ponta do lápis, exatos 992 dias entre o dia 10 de outubro de 2010 e hoje, 29 de junho de 2013. Nesse período, Valentino Rossi, The Doctor, não conseguiu subir no topo do pódio.

Como convém a um mestre, a um dos maiores de sua especialidade – o maior de sua geração, sem nenhuma dúvida – coube a Rossi quebrar o incômodo tabu no templo sagrado do Mundial de Motovelocidade: o circuito holandês de Assen, chamado de “Catedral” por sua importância e por ser – durante muitos anos – uma das pistas mais seletivas e desafiadoras da modalidade.

Aos 34 anos, Rossi desafia o tempo e a si mesmo, provando a todos que ainda pode ser um vencedor. É claro que ele não tem mais o fulgor dos tempos em que enfileirou títulos e vitórias, da mesma maneira que colecionou desafetos ao longo dos anos. Mas ainda é o Doutor, o Cara, um homem a quem temos que respeitar por tudo o que fez numa modalidade tão competitiva quanto perigosa. Vale passou incólume pelas lesões durante muito tempo e em 2010, quando teve um acidente muito sério em Mugello, sua carreira começou a ser posta em dúvida. E ele deu bastante munição durante os dois anos de Ducati, pois sem uma motocicleta competitiva de fato, ele não pôde fazer muito.

O italiano é uma espécie de “tiozão” da MotoGP, se compararmos sua experiência e idade com Marc Márquez, por exemplo. A joia rara da Honda mal havia saído das fraldas, mamadeiras e chupetas e Rossi já brilhava na extinta classe 125cc. Existe um abismo entre eles, de experiência e idade. E por vezes, o fulgor adolescente pode ser superado sim pela tarimba, pela quilometragem, pelo currículo invejável do eterno campeão.

Valentino Rossi chegou hoje à sua 106ª vitória na carreira. Faltam dezesseis para igualar o recorde de Giacomo Agostini – que muitos torcem para que continue inalcançável. Sinceramente eu não sei mais se o italiano da moto #46 quer mesmo bater a marca histórica do seu compatriota. Hoje, isso não tem a menor importância perto da alegria que é, para todos nós, ver a figura dele no pódio, comemorando uma vitória depois de 992 dias.

O campeão voltou!

Viva o Doutor! Viva Valentino Rossi!

Imagem da Semana

1040133_10201362538295940_62963487_o

A bela homenagem da equipe Belgian Audi Club Team WRT, feita neste fim de semana de Blancpain Endurance Series em Paul Ricard, em memória do dinamarquês Allan Simonsen, falecido na recente edição das 24 Horas de Le Mans. Clique muito oportuno de Laurent Mercier.

A volta

965245_594168360628480_1855608571_o

RIO DE JANEIRO – Nem tudo são más notícias com relação à participação de pilotos brasileiros no exterior. Após dez meses sem disputar uma corrida, o carioca Nicolas Costa conseguiu uma oportunidade para mostrar o que vale e o que sabe numa das categorias de acesso da Fórmula Indy.

Após um bom teste no circuito misto de Mid-Ohio, o piloto de 21 anos vai disputar pelo menos quatro corridas, em duas rodadas duplas, da Fórmula Pro Mazda. Nicolas, que começou sua carreira lá mesmo nos EUA, na renomada escola de Skip Barber, vai correr em Toronto, na tradicional pista de rua do Exhibition Place e no veloz e seletivo circuito de Mosport Park, tudo no Canadá.

“Estou muito feliz por poder participar de uma categoria importante dos Estados Unidos. É um campeonato que abre portas para o piloto, caso tenha bons resultados, e os valores não são tão elevados como na Europa. Por isso, optamos por seguir esse caminho”, disse o carioca, que iniciou sua carreira no automobilismo em terras americanas na categoria Skip Barber. “Apesar de não conhecer as pistas, já tenho alguma noção do carro. É questão de tempo para me sentir totalmente confortável com o ambiente daqui”.

Nicolas defenderá o Team Pelfrey, que por sinal já esteve na Fórmula Indy em meados dos anos noventa. Seu bom trabalho durante os testes chamou a atenção do chefe de equipe Nigel Tuckey, que se apressou em contratá-lo. Com seis corridas já realizadas, a temporada é liderada por Matthew Brabham, filho de Geoff e neto do tricampeão mundial de Fórmula 1 Jack Brabham.

“Como já estamos praticamente na metade do campeonato, nosso foco é trabalhar em conjunto com a equipe para obter um bom resultado. O objetivo imediato é conhecer as pistas e a categoria. Depois dos primeiros treinos, acho que teremos mais chances de brigar pelas primeiras posições. Vamos trabalhar para buscar um pódio”, afirmou o atual campeão Europeu e Italiano de Fórmula Abarth.

O equipamento da Fórmula Pro Mazda é igual para todo mundo: chassis Panoz, motor Mazda Wankel, de pistões rotativos e pneus Cooper, fabricados pela Avon. Boa sorte ao Nicolas em sua nova jornada e que muitas portas se abram para o talentoso piloto carioca e brasileiro.

8Star na frente em Glen

1129341_article_img_xlarge1

RIO DE JANEIRO – Começaram hoje os treinos para as 6 Horas de Watkins Glen, no circuito misto localizado no estado de Nova York. E na primeira sessão, o Corvette #3 da 8Star Motorsports saiu na frente. O carro de Enzo Potolicchio/Michael Valiante/Stéphane Sarrazin foi o mais rápido da sexta-feira, com a marca de 1’42″833, sendo o único dos inscritos a superar a barreira de 1’43”, à média horária de 191,494 km/h.

Três décimos acima, veio outro Corvette DP, o #5 da dupla vencedora em Mid-Ohio, formada por João Barbosa e Christian Fittipaldi, que nesta prova será um dos dois únicos brasileiros – o outro é Oswaldo Negri, já que Antonio Pìzzonia deu lugar neste fim de semana a Justin Wilson. Mais outros quatro protótipos com o motor V8 da marca estadunidense ficaram nas posições seguintes de terceiro a sexto.

O melhor não-Corvette foi o Ford Riley #2 de Ryan Dalziel/Alex Popow/Sébastien Bourdais, da Starworks. A trinca ficou a mais de um segundo do melhor tempo do dia. Negri e seu parceiro John Pew ocuparam a 8ª colocação, com 1’44″352. Wilson, em seu regresso à Grand-Am, ajudou o carro #6 que divide com o polêmico Gustavo Yacamán a ficar em décimo.

Na classe GT, o melhor tempo da primeira sessão foi da Ferrari #63 de Jeff Westphal/Alessandro Balzan/Craig Stanton, em 1’53″630, apenas 0″050 abaixo de Eric Curran/Boris Said, com o Corvette da Marsh Racing. Atual campeão da categoria, Emil Assentato ficou em terceiro, com os parceiros Leh Keen e Anthony Lazzaro, noutra Ferrari – a #69. O melhor Porsche foi o #73 de Patrick Lindsey/Bryan Sellers/Patrick Long, enquanto o Camaro #57 de Robin Liddell/John Edwards ficou em quinto entre 16 carros.

De volta à Grand-Am, o Audi R8 LMS de parte da tripulação vencedora em Daytona ficou apenas na décima colocação. O outro carro do construtor alemão foi o 15º entre os inscritos da divisão. E na GX, melhor tempo para o Mazda de Tom Long/Sylvain Tremblay/Andrew Carbonell, superando o Porsche Cayman da BGB e o outro Mazda inscrito neste grupo.

Delta-ADR desclassificada em Le Mans

AUTO - 24H DU MANS WEC 2013 Part 2

RIO DE JANEIRO – Reviravolta no resultado oficial das 24 Horas de Le Mans de 2013. A equipe britânica Delta-ADR acabou excluída da 3ª colocação na classe LMP2, com o carro #26 guiado por John Martin/Mike Conway/Roman Rusinov.

Segundo o comunicado oficial, o Oreca Nissan com o patrocínio da G-Drive foi desclassificado em decorrência de uma irregularidade no reservatório de combustível. A posição acaba herdada pelo Zytek Z11SN de Jann Mardenborough/Lucas Ordoñez/Michael Krumm, carro da Greaves Motorsport que teve como engenheiro-chefe o brasileiro Ricardo Divila.

O anúncio da perda de pontos do trio do #26 mexe também com a classificação do Mundial de Endurance, onde a trinca tinha marcado quatro pontos com o 9º lugar obtido em Sarthe. A Delta-ADR vai recorrer da decisão e espera ter o parecer favorável do ACO e da FIA antes da realização das 6 Horas de São Paulo, dia 1º de setembro.

Oficial: Webber assina com a Porsche para o WEC

M13_1584_fine

RIO DE JANEIRO – O tiro de John Hindhaugh na abertura da transmissão das 6 Horas de Silverstone, em 14 de abril, foi certeiro: Mark Webber vai mesmo para o Mundial de Endurance (WEC) em 2014.

O piloto australiano de 36 anos rompe o vínculo de sete anos com a Red Bull, abrindo uma cobiçadissima vaga de segundo piloto ao lado do alemão Sebastian Vettel, atual tricampeão mundial de Fórmula 1. Webber assinou com a Porsche e disputará o WEC e as 24 Horas de Le Mans pela marca de Stuttgart.

Com duas participações em Le Mans no currículo, incluindo um voo espetacular, felizmente sem graves consequências, a bordo de um modelo Mercedes CLR, Webber chegou à F-1 vindo da Fórmula 3000. Até esta data, o aussie disputou 203 GPs, com nove vitórias, onze pole positions, 15 voltas mais rápidas em prova e um total de 36 pódios.

Acredito eu que a gota d’água no fim da relação entre o australiano e a Red Bull tenha sido o GP da Malásia, com a polêmica envolvendo ele, Vettel e a cúpula do time do touro vermelho, encabeçada por Christian Horner e Helmut Marko. A partir daí, os rumores se intensificaram e, em abril, a bomba foi lançada. Dois meses depois, ela finalmente explodiu.

 

Direto do túnel do tempo (97)

tumblr_lmhou98CJp1ql2stao1_500RIO DE JANEIRO – Imagem rara da participação de um piloto que durante toda a carreira especializou-se nas corridas de Esporte Protótipo e que sagrou-se campeão europeu de Turismo em 1979, em dupla com Martino Finotto. Falo de Carlo Facetti, italiano que hoje completa 78 anos de idade. Ícone da equipe Autodelta no Mundial de Endurance nos anos 60/70, ele tentou se classificar uma única vez apenas para uma corrida de Fórmula 1.

Foi com o carro da foto acima: uma Brabham BT42 Cosworth alinhada pela Scuderia Finotto, com o número #31, equipada com pneus Firestone. Facetti fez o que foi possível: mesmo com todo o seu conhecimento prévio da pista de Monza, não conseguiu se qualificar no grid de 25 carros. Foi o 27º do treino classificatório com o tempo de 1’37″30, atrás de José Dolhem, com uma Surtees.

Carlo participou de várias edições das 24 Horas de Le Mans: em 1968, foi 5º colocado na geral, em dupla com Spartaco Dini, a bordo de uma Alfa Romeo T33B/2. E nos anos 80, ele e Finotto fundaram a CARMA (acrônomo da inicial dos nomes deles), para construir motores 1,4 litros turbo para a categoria 2 litros de Esporte Protótipo.

3373045130_194ba8c3581

Facetti e Finotto tiveram sucesso: com os motores rebatizados como “Giannini” e equipando os chassis Alba, competindo no Mundial de Grupo C na classe C2, conquistando o título mundial de 1983 e outros bons resultados em 1984. Esse motor permaneceu nas pistas até 1986.

Há 39 anos, direto do túnel do tempo.

Falta de “dindim” tira Pizzonia das 6h de Glen

040613_BMP_BC_0007

RIO DE JANEIRO – Como se já não bastasse sequer ter podido sentar no carro durante a corrida de Mid-Ohio, uma vez que o Ford Riley #6 da Michael Shank Racing pegou fogo com Gustavo Yacamán a bordo e a ausência nas 24 Horas de Le Mans no último fim de semana, Antonio Pizzonia teve um duro revés para a corrida da Rolex Sports Car Series neste domingo.

Por falta de patrocínio, o piloto brasileiro foi apeado do cockpit do carro do time de Ohio e seu lugar será ocupado por Justin Wilson, o piloto de Fórmula Indy que já colaborou algumas vezes com a MSR. Não obstante, Justin conhece bem a pista, pois em 2009 (e não em 2010, me desculpem) deu à Dale Coyne Racing, equipe que defende no certame de monopostos, a primeira e histórica vitória da pequena escuderia.

O Fox Sports vai transmitir as 6 Horas de Watkins Glen na íntegra, a partir de meio-dia, hora de Brasília, neste domingo.

Confira a lista atualizada de inscritos:

#01 CHIP GANASSI RACING WITH FELIX SABATES
BMW Riley
Memo Rojas/Scott Pruett

#2 STARWORKS WITH ALEX POPOW
Ford Riley
Sébastien Bourdais/Ryan Dalziel/Alex Popow

#3 8STAR MOTORSPORTS
Corvette DP (Coyote)
Enzo Potolicchio/Stéphane Sarrazin/Michael Valiante

#4 8STAR MOTORSPORTS
Corvette DP (Coyote)
Emilio Di Guida/Luis Diaz

#5 ACTION EXPRESS RACING
Corvette DP (Coyote)
João Barbosa/Christian Fittipaldi

#6 MICHAEL SHANK RACING
Ford Riley
Justin Wilson/Gustavo Yacamán

#8 STARWORKS MOTORSPORT
Ford Riley
Brendon Hartley/Scott Mayer/Pierre Kaffer

#9 ACTION EXPRESS RACING
Corvette DP (Coyote)
Brian Frisselle/Burt Frisselle

#10 WAYNE TAYLOR RACING
Corvette DP (Dallara)
Jordan Taylor/Max Angelelli

#42 TEAM SAHLEN
BMW Riley
Dane Cameron/Wayne Nonnamaker/Mark Wilkins

#43 TEAM SAHLEN
BMW Riley
Will Nonnamaker/Joe Nonnamaker/Joe Sahlen/Mark Wilkins

#60 MIKE SHANK RACING
Ford Riley
Oswaldo Negri Jr./John Pew

#90 SPIRIT OF DAYTONA RACING
Corvette DP (Coyote)
Ricky Taylor/Richard Westbrook/Antonio Garcia

#99 GAINSCO/BOB STALLINGS RACING
Corvette DP (Riley)
Jon Fogarty/Alex Gurney

GT

#03 EXTREME SPEED MOTORSPORTS
Ferrari F458 Italia Grand-Am
Mike Hedlund/Johannes Van Overbeek/Guy Cosmo

#18 MÜHLNER MOTORSPORTS AMERICA
Porsche 911 (997) GT3 R
Eduardo Costabal/Eliseo Salazar

#24 AUDI SPORT CUSTOMER RACING
Audi R8 LMS Grand-Am
Filipe Albuquerque/Edoardo Mortara/Dion Von Moltke

#31 MARSH RACING
Chevrolet Corvette Z06 C6-R
Eric Curran/Boris Said

#44 MAGNUS RACING
Porsche 911 (997) GT3 R
Andy Lally/Richard Lietz/John Potter

#46 FALL-LINE MOTORSPORTS
Audi R8 LMS Grand-Am
Al Carter/Charlie Espenlaub/Charles Putman

#56 AF-WALTRIP
Ferrari F458 Italia Grand-Am
Rui Águas/Robert Kauffmann

#57 STEVENSON MOTORSPORTS
Chevrolet Camaro GT.R
John Edwards/Robin Liddell

#61 R.FERRI/AIM MOTORSPORT RACING WITH FERRARI
Ferrari F458 Italia Grand-Am
Max Papis/Jeff Segal/Toni Vilander

#62 SNOW RACING/WRIGHT MOTORSPORTS
Porsche 911 (997) GT3 R
Andrew Davis/Madison Snow

#63 SCUDERIA CORSA MICHELOTTO
Ferrari F458 Italia Grand-Am
Alessandro Balzan/Craig Stanton/Jeff Westphal

#69 AIM AUTOSPORT TEAM FXDD WITH FERRARI
Ferrari F458 Italia Grand-Am
Emil Assentato/Leh Keen/Anthony Lazzaro

#73 PARK PLACE MOTORSPORTS
Porsche 911 (997) GT3 R
Patrick Long/Patrick Lindsey/Bryan Sellers

#80 TRUSPEED MOTORSPORTS
Porsche 911 (997) GT3 R
Kelly Collins/Tom Haacker/Bryce Miller

#93 TURNER MOTORSPORT
BMW M3
Michael Marsal/Gunther Schaldach/Pedro Lamy

#94 TURNER MOTORSPORT
BMW M3
Bill Auberlen/Paul Dalla Lana/Billy Johnson

GX

#00 VISIT FLORIDA RACING/SPEEDSOURCE
Mazda 6GX
Joel Miller/Tristan Nunez/Yojiro Terada

#38 BGB MOTORSPORTS
Porsche Cayman
Spencer Pumpelly/Jim Norman

#70 MAZDASPEED/SPEEDSOURCE
Mazda 6GX
Tom Long/Sylvain Tremblay/Andrew Carbonell

Discos eternos – Nothing Like The Sun (1987)

Sting

RIO DE JANEIRO – Muita gente torce o nariz para este disco solo do Sting, terceiro trabalho do artista britânico após The Dream of Blue Turtles Bring On The Night, gravados em meados dos anos 80. Mas como gosto é uma coisa pessoal, não posso dizer que este álbum é ruim como muitos querem fazer parecer. Está longe de ter o peso do que ele seus companheiros de Police fizeram – e isso é fato. Mas é um disco movido por dezenas de razões.

Um ano antes do lançamento, em 1986, Sting perdeu sua mãe, o que contribuiu para grande parte do tom “sombrio” de algumas canções e, somando-se a isso, o cantor criara um envolvimento muito forte com o movimento da Anistia Internacional, defendendo com unhas e dentes os direitos civis daqueles que tinham sido vítimas da opressão nos tempos das muitas ditaduras sul-americanas.

A música “They Dance Alone” é o grande exemplo desse envolvimento de Sting com os grupos ativistas. Com forte conteúdo político, foi – logicamente – proibida no Chile de Augusto Pinochet e teve o auxílio luxuoso de Mark Knopfler e Eric Clapton, nas guitarras. A canção também se refere à dança das mães que choravam seus filhos desaparecidos, com fotografias penduradas em suas roupas – a chamada Gueca Solo.

Apesar da vertente sombria, o disco é pontuado pela fusão do pop com o jazz e belos arranjos, como os ouvidos em “Be Still My Beating Heart” e em “Englishman in New York”. “Sister Moon”, belíssima canção que abre o lado B do segundo disco do álbum duplo (quando lançado, foi assim), acabou inspirada por uma frase de um soneto de Shakespeare dita por Sting a um homem embriagado com quem encontrara certa feita e lhe perguntara: “How beautiful is the moon?” (Quão bonita é a lua?). A resposta veio na lata: “My mistress eyes are nothing like the sun”. (Os olhos de minha amante nada são diante do sol), o que também contribuiu para o título do trabalho.

“They Dance Alone” não é a única canção política no disco. “History Will Teach Us Nothing” segue esta linha, assim como o reggae “Rock Steady”. Mas talvez a música que mais tenha criado polêmica, além do canto contra a opressão sul-americana, foi “Little Wing”.

Não é para menos: Sting e seus comparsas revestiram o clássico de Jimi Hendrix com uma doçura que nunca foi mostrada de fato nas outras covers, perpetradas por Derek & The Dominos e Stevie Ray Vaughan, por exemplo. Para o arranjo da música, o cantor e compositor chamou o mago Gil Evans e sua orquestra, tirando todo o peso da canção e imprimindo um arranjo com clarinetas, flugelhorn, oboé e outros instrumentos mais sofisticados de sopro.

Aqui no Brasil, o disco foi lançado com uma música cantada por Sting com um português sofrível. “Frágil” (Fragile), canção que encerrou o lado B do primeiro disco, destoava claramente do restante do trabalho, onde o britânico se esforçava claramente para manter o tom da canção vertida por Liluca para um idioma estranho para o cantor.

Com produção a oito mãos, creditada a Sting, Hugh Padgham, Neil Dorfsman e Bryan Loren, o álbum alcançou boas vendas. Nos EUA, fez 2 milhões de cópias, conferindo a Sting o disco duplo de platina. “We’ll be together”, carro-chefe do disco, chegou em #7 nas paradas estadunidenses, enquanto “Be still my beating heart” e o remix de “Englishman in New York” ficaram em #15 na terra de Tio Sam.

Ficha Técnica de Nothing Like The Sun
Selo: PolyGram/Universal Music
Gravado no Air Studios, em Montserrat, de março a agosto de 1987
Produzido por Sting, Hugh Padgham, Neil Dorfsman e Bryan Loren
Tempo total: 54’45”

Músicas:

1. The Lazarus Heart
2. Be Still My Beating Heart
3. Englishman in New York
4. History Will Teach Us Nothing
5. They Dance Alone (Gueca Solo)
6. Fragile
7. We’ll Be Together
8. Straight To Your Heart
9. Rock Steady
10. Sister Moon
11. Little Wing (Jimi Hendrix)
12. The Secret Marriage

(todas as outras composições de Sting, exceto a #11)

Direto do túnel do tempo (96)

1039988_524431880943547_303251113_oRIO DE JANEIRO – Os fabulosos tempos do Grupo B no Mundial de Rally. A foto é de 1984, no Rally de Portugal, com o inesquecível piloto finlandês Henri Toivonen a bordo do lendário modelo Lancia 037, avançando rumo à multidão ensandecida. Clique maravilhoso pertencente ao portfólio McKlein.

Há 29 anos, direto do túnel do tempo.

Hemorragia cerebral ou arterial: a causa-mortis de Allan Simonsen

2013-24-Hour-of-Le-Mans-Allan-Simonsen-crash-629x340

RIO DE JANEIRO – Muito se especulou sobre o procedimento médico e o atendimento ao dinamarquês Allan Simonsen, que morreu sábado após um acidente na 81ª edição das 24 Horas de Le Mans. As (poucas) imagens deram margem a ilações e suposições acerca do que teria acontecido – porém ficou claro que o piloto de 34 anos despistou-se ao perder o controle do seu Aston Martin Vantage V8 quando “pisou” a faixa azul à margem do asfalto. Faixa que estava molhada pelas chuvas, provocando o acidente fatal.

Estudos evidenciam que o nosso cérebro é comparado a um queijo mole dentro de uma caixa de madeira, ou então à gema dentro da casca de ovo. Logicamente não há, ainda, um laudo definitivo sobre a causa-mortis de Simonsen. Sabe-se que o piloto saiu consciente do seu Aston Martin e o caso do nórdico remete a um incidente ocorrido em 1975.

Naquele ano, o estadunidense Mark Donohue sofreu um acidente com seu Penske-March PC2 nos treinos do GP da Áustria, em Zeltweg, estatelando seu carro além do guard rail e caindo num barranco. O piloto foi retirado dos destroços aparentemente bem, mas no procedimento médico, começou a vomitar, um claro sinal de lesão cerebral. O helicóptero que o transportaria para além dos Alpes não tinha pressurização suficiente para manter Donohue em situação estável e ao chegar em Graz, ele entrou em estado de coma, morrendo à noite.

c274

Voltando a 2013, o acidente de Simonsen foi calculado a uma velocidade estimada de 177 km/h. Na curva Tertre Rouge, a velocidade do carro alcança cerca de 207 km/h. É portanto uma curva veloz, onde os carros saem de “cano cheio” para começar o primeiro trecho da reta Mulsanne. Não obstante, parece que nas proximidades do guard rail onde Simonsen bateu, havia uma árvore. E todo o impacto da colisão pode muito bem ter sido absorvido justamente por ela e não pela barreira metálica ali instalada. Eis uma das razões para a estrutura do Vantage ter sido afetada na capota.

Simonsen foi retirado do carro com ausência de lesões penetrantes, diferentemente de Ayrton Senna em Imola 1994 e, aparentemente, nenhuma evidência de traumatismo. A conclusão a que chega o Hyperparathyroidism Blog é que o piloto morreu em decorrência da desaceleração repentina a que seu corpo foi submetido, provocando hemorragia craniana ou o rompimento da artéria aorta em suas ligações na parte superior da caixa torácica.

Paul Ricard com pista cheia no Blancpain Endurance Series

Blancpain Endurance Series 2013 Silverstone

RIO DE JANEIRO – Numa prévia do que deve vir por aí nas 24 Horas de Spa-Francorchamps, a 3ª etapa do Blancpain Endurance Series, marcada para este domingo no circuito de Paul Ricard, em Le Castellet, tem mais um grid sensacional. São 61 carros confirmados para a etapa francesa, com três horas de duração.

Líder do campeonato com 33 pontos, Cesar Ramos e seus parceiros Davide Rigon e Daniel Zampieri terão a missão de manter a ponta da tabela com a Ferrari F458 GT3 da equipe suíça Kessel Racing. Eles têm seis pontos de vantagem para o trio da Audi formado por Frank Stippler/Christopher Mies/Edward Sandström.

Três formações lideram na Pro-Am com 33 pontos também: os franceses Henry Hassid/Ludovic Badey, da TDS Racing; Andrea Bertolini/Niek Hommerson/Louis Machiels, da AF Corse e Lucas Ordoñez/Alex Buncombe, da RJN Motorsport, equipe onde trabalha o brasileiro Ricardo Divila. É nessa categoria também que está o gaúcho Carlos Kray, da Molitor Racing Systems, contudo sem ter pontuado ainda no ano.

Na Gentlemen Trophy, os franceses Jean-Luc Blanchemain/Jean-Luc Béaubelique/Patrice Goueslard comandam a pontuação com 37 pontos, oito à frente de Ahmad Al Harty/Miro Konopka e onze adiante de Maurice Ricci/Mike Sawary/Gabriel Balthazard.

O total de inscritos contempla 22 carros na Pro Cup, 24 na Pro-Am Cup e treze na Gentlemen Trophy. Confira quem são:

PRO CUP

#1 BELGIAN AUDI CLUB TEAM WRT BEL
Audi R8 LMS Ultra
Stéphane Ortelli/Laurens Vanthoor/René Rast

#2 BELGIAN AUDI CLUB TEAM WRT BEL
Audi R8 LMS Ultra
Rahel Frey/Matt Halliday/Niki Mayr-Melnhof

#3 MARC VDS RACING TEAM BEL
BMW Z4 GT3
Bas Leinders/Maxime Martin/Yelmer Buurman

#4 MARC VDS RACING TEAM BEL
BMW Z4 GT3
Markus Palttala/Henri Moser/Andrea Piccini

#6 PHOENIX RACING DEU
Audi R8 LMS Ultra
Oliver Jarvis/Christopher Haase/Harold Primat

#7 HEXIS RACING FRA
McLaren MP4-12C GT3
Álvaro Parente/Alexander Sims/Stef Dusseldorp

#11 ART GRAND PRIX FRA
McLaren MP4-12C GT3
Mike Parisy/Antoine Léclerc/Andy Soucek

#13 BELGIAN AUDI CLUB TEAM WRT BEL
Audi R8 LMS Ultra
Frank Stippler/Christopher Mies/Edward Sändström

#16 PHOENIX RACING BEL
Audi R8 LMS Ultra
Enzo Ide/Anthony Kumpen/Markus Winkelhock

#23 JRM RACING GBR
Nissan GT-R Nismo
Lucas Luhr/Peter Dumbreck/Steven Kane

#26 VITA4ONE RACING TEAM DEU
BMW Z4 GT3
Frank Kechele/Grégory Franchi/Stefano Colombo

#36 SPEEDCAR FRA
Audi R8 LMS Ultra
Dino Lunardi/Vincent Abril/Andrea Pizzitola

#40 SAINTÉLOC RACING FRA
Audi R8 LMS Ultra
Christian Mamerow/Grégory Gulivert/Alexander Müller

#44 KESSEL RACING CHE
Ferrari F458 GT3
César Ramos/Daniel Zampieri/Davide Rigon

#69 GULF RACING UK GBR
McLaren MP4-12C GT3
Nico Verdonck/Rob Bell/Adam Carroll

#70 SMP RACING RUS
Ferrari F458 GT3
Aleksey Basov/Alessandro Pier Guidi/Aliaksandr Skryabin

#71 SMP RACING RUS
Ferrari F458 GT3
Viktor Shaitar/Mikhail Aleshin/Kyrill Ladygin

#75 PROSPEED COMPETITION BEL
Porsche 911 (997) GT3-R
Marc Hennerici/Xavier Maassen/Maxime Soulet

#83 SMG CHALLENGE FRA
Porsche 911 (997) GT3-R
Nicolas Armindo/Olivier Pla/Eric Clément

#84 HTP MOTORSPORT CZE
Mercedes-Benz SLS AMG GT3
Maximilian Bukh/Alon Day/Luca Ludwig

#111 KESSEL RACING CHE
Ferrari F458 GT3
Francesco Castellacci/Giacomo Petrobelli/Andrea Ceccato

#125 BLANCPAIN RACING DEU
Lamborghini Gallardo LP600 FL2
Stefan Rosina/Albert Von Thurn Und Taxis/Eugenio Amos

PRO-AM CUP

#5 BOUTSEN GINION RACING BEL
McLaren MP4-12C GT3
David Dermont/Koen Wauters/Fréderic Vervisch

#8 HARIBO RACING TEAM DEU
Porsche 911 (997) GT3-R
Emmanuel Collard/Hans-Guido Riegel/Mike Stursberg

#9 GULF RACING UK GBR
McLaren MP4-12C GT3
Mike Wainwright/Andy Meyrick

#12 ART GRAND PRIX FRA
McLaren MP4-12C GT3
Grégoire Demoustier/Gilles Vannelet/Yann Goudy

#17 INSIGHT RACING WITH FLEX-BOX USA
Ferrari F458 GT3
Martin Jensen/Dennis Andersen

#18 BLACK FALCON DEU
Mercedes-Benz SLS AMG GT3
Klaas Hummel/Steve Jans/Adam Christodoulou

#19 BLACK FALCON DEU
Mercedes-Benz SLS AMG GT3
Duncan Tappy/Andrii Lebed/Oliver Morley

#22 TEAM PRECI-SPARK GBR
Mercedes-Benz SLS AMG GT3
David Jones/Godfrey Jones/Morgan Jones

#24 BLANCPAIN REITER DEU
Lamborghini Gallardo FL2
Marc A. Hayek/Peter Kox

#25 TDS RACING FRA
BMW Z4 GT3
Ludovic Badey/Henry Hassid

#32 NISSAN ACADEMY TEAM RJN GBR
Nissan GT-R GT3
Alex Buncombe/Steve Doherty/Mark Shulzhitskiy

#34 PRO GT BY ALMERAS FRA
Porsche 911 (997) GT3-R
Franck Perera/David Dermont

#35 NISSAN ACADEMY TEAM RJN GBR
Nissan GT-R Nismo GT3
Peter Pyzera/Lucas Ordoñez/Wolfgang Reip

#42 SAINTÉLOC RACING FRA
Audi R8 LMS Ultra
David Hallyday/Ronnie Latinne/Romain Monti

#43 ROAL MOTORSPORT ITA
BMW Z4 GT3
Thomas Biagi/Michela Cerrutti/Stefano Comandini

#50 AF CORSE ITA
Ferrari F458 Italia
Niek Hommerson/Louis Machiels/Andrea Bertolini

#62 FORTEC MOTORSPORTS GBR
Mercedes-Benz SLS AMG GT3
Stephen Jelley/Andrew Danyliw

#72 SMP RACING RUS
Ferrari F458 GT3
Boris Rotemberg/Sergey Zlobin/Maurizio Mediani

#73 SMP RACING RUS
Ferrari F458 GT3
Yuri Evgstineev/Aleksandr Frolov/David Markozov

#77 MOLITOR RACING SYSTEMS DEU
McLaren MP4-12C GT3
Carlos Kray/Philipp Eng/Justino Azcarate

#78 GRÄSSER RACING TEAM AUT
Lamborghini Gallardo LP600
Göttfried Grässer/Gerhard Tweraser/Hari Proczyk

#88 VON RYAN RACING GBR
McLaren MP4-12C GT3
Jordan Klaus Grogor/Rob Barff/Leon Price

#99 BEECHDEAN ASTON MARTIN RACING GBR
Aston Martin Vantage V12 GT3
Andrew Howard/Jonny Adam/Daniel McKenzie

#116 TEAM SOFREV-ASP FRA
Ferrari F458 Italia
Gérard Tonelli/Fabién Barthez/Morgan Moulin-Traffort

#123 TEAM UKRAINE UKR
Ferrari F458 Italia
Ruslan Tsyplakov/Raffaele Gianmaria/Andrii Kruglik

#230 JRM RACING GBR
Nissan GT-R Nismo GT3
Matt Bell/Humaid Al Masaood/Charles Bateman

#555 JMB RACING MCO
Nissan GT-R Nismo GT3
Nicolas Misslin/Jody Fannin

GENTLEMEN TROPHY

#10 TEAM SOFREV-ASP FRA
Ferrari F458 GT3
Gabriel Balthazard/Jerôme Policand/Maurice Ricci

#15 BOUTSEN GINION RACING BEL
McLaren MP4-12C GT3
Karim Ojjeh/Marlene Broggi/Laurent Pasquali

#20 TEAM SOFREV-ASP FRA
Ferrari F458 GT3
Jean-Luc Beaubélique/Jean-Luc Blanchemain/Patrice Goueslard

#33 PRO GT BY ALMERAS FRA
Porsche 911 (997) GT3 R
Christian Blugeon/Cédric Mezart/Stéphane Wintenberger

#41 SAINTÉLOC RACING FRA
Audi R8 LMS Ultra
Pierre Hirschi/Claude-Yves Gosselin/Marc Sourd

#49 AF CORSE ITA
Ferrari F458 GT3
Yannick Mallegol/Jean-Marc Bachellier/Howard Blank

#51 AF CORSE ITA
Ferrari F458 GT3
Filipe Barreiros/Francisco Guedes/Peter Mann

#52 SPORT GARAGE FRA
Ferrari F458 GT3
Luc Paillard/Lionel Comolle/Bruce Lorgere Roux

#53 SPORT GARAGE FRA
Ferrari F458 GT3
Georges Cabanne/Leonardo Gorrini/Romain Brandela

#55 MTECH GBR
Ferrari F458 Italia
Fabian Taraborelli/Jake Rattenbury/Diego Menendez

#58 DELAHAYE RACING FRA
Porsche 911 (997) GT3 R
Christian Kelders/Daniel Desbruéres

#66 ARC BRATISLAVA SVK
Porsche 911 (997) GT3 R
Miro Konopka/Ahmad Al Harty

#76 MOLITOR RACING SERVICES DEU
McLaren MP4-12C GT3
Gaetano Ardagna Pérez/Pablo Paladino/Paolo Andreasi

Prestígio

RIO DE JANEIRO – A repercussão sobre a postagem acerca do possível fim do Autódromo Internacional de Curitiba estrondou o recorde antigo do blog em matéria de page views. Fiquei surpreso, pois não achei que conseguiria bater a marca de 7,8 mil tão cedo. Mas este dia 24 de junho foi histórico: 16.768 visualizações, mais de 100% a mais que o recorde anterior.

E mesmo que não houvesse chegado a tanto, hoje, no momento em que escrevo este post, o total já superou 9,9 mil views. Tamanha quantidade de acessos levou o A Mil Por Hora a superar 700 mil page views em pouco mais de sete meses de existência.

Lembro, salvo engano, que o foco deste blogueiro era chegar a 1 milhão de page views em dezembro. Agora, se me permitem a empolgação, até antes do fim do ano, quero ver se alcançamos este marco histórico.

Obrigado aos leitores pelo prestígio de vocês. Sem isso, nenhum desses recordes seria quebrado, nenhuma marca alcançada e superada.

“No more music…”

RIO DE JANEIRO – Um dos pilares do Roxy Music, que teve entre seus integrantes Brian Eno e Phil Manzanera, renomados produtores de discos, Bryan Ferry experimentou o gostinho da carreira-solo após a dissolvição do grupo em 1983, depois de 12 anos de estrada. Nos anos 80, o cantor britânico conseguiu bastante sucesso com duas canções que estrondaram nas paradas, ambas lançadas em 1985 no disco Boys and Girls: “Slave to love”, de 9 e 1/2 semanas de amor e a ótima “Don’t stop the dance”, que escolhi para ser o clip da semana.

Ouçam e curtam.

Citroën e Loeb no WTCC

4040120130625141710

RIO DE JANEIRO – Eis um rumor que tomava conta dos paddocks e que agora se confirma como verdadeiro: a Citroën vai mesmo participar do Mundial de Carros de Turismo (WTCC) a partir de 2014. O anúncio foi feito hoje na sede da montadora em Versalhes. A estratégia é desenvolver o mercado de vendas da marca francesa em mercados como a Rússia, a América do Sul e a China.

Além da cobertura de mídia e de ser um campeonato verdadeiramente mundial, passando por diversos continentes, o WTCC é uma alternativa barata para qualquer montadora que tenha um produto capaz de poder competir nas pistas. A Citroën não confirmou, mas é bem possível que o modelo DS3, com motor 1,6 litro turbo, se encaixe perfeitamente na proposta da marca.

E a reboque do anúncio, foi confirmada a participação de ninguém menos que Sébastien Loeb, o multicampeão de Rally de Velocidade, para conduzir o carro da Citroën no WTCC em 2014. Logicamente, o piloto não tem muitas pretensões no primeiro ano. “Não espero ganhar de imediato, mas pretendo chegar lá algum dia”, disse.

Loeb, que continua participando do WRC em atuações esporádicas, dedica-se hoje à sua equipe de corridas, a Sébastien Loeb Racing, que disputa a Porsche Supercup, a Porsche Cup francesa, o FIA GT Series e o GT Tour, o Campeonato Francês de Grã-Turismo. O piloto de 39 anos vai para mais um desafio na carreira com o mesmo entusiasmo de sempre.

Vale observar o seguinte: a Citroën não pretende, de forma alguma, abandonar o WRC, o Mundial de Rally. “Ainda estamos comprometidos com a modalidade e vamos trabalhar duro para tentar obter o melhor resultado possível em 2013”, confirmou a montadora.