Só onze carros na abertura do AsLMS

Frank_Yu

RIO DE JANEIRO – Magrinho, muito magrinho. Assim será o grid da etapa de abertura da temporada 2013 do Asian Le Mans Series, que começa neste fim de semana no circuito sul-coreano Inje Autopia, de 4,207 km de extensão e nada menos que 20 curvas no traçado.

A corrida inaugural da nova fase do AsLMS conta com apenas onze carros na lista de inscritos. Como era de se esperar, os modelos Grã-Turismo são maioria esmagadora, tendo nove destes bólidos na pista contra apenas dois protótipos, ambos Morgan LMP2 que, teoricamente, vão lutar pela vitória. Um solitário LMGTE foi inscrito e os demais bólidos são todos da divisão LMGTC.

Apesar do baixíssimo quorum, a corrida terá nomes conhecidos como o do sino-holandês Ho-Pin Tung, dos japoneses Kamui Kobayashi, Naoki Yokomizo, Akira Iida e Keita Sawa, o alemão Stefan Mücke e os italianos Michele Rugolo e Andrea Bertolini.

Eis os inscritos:

LMP2

#18 KCMG HKG
Morgan LMP2 Zytek Nissan
Akash Nandy/Gary Thompson/James Winslow

#24 OAK RACING-TOTAL FRA
Morgan LMP2 Zytek Nissan
Ho-Pin Tung/David Cheng/Jeffrey Lee

LMGTE

#70 TEAM TAISAN KEN ENDLESS JPN
Ferrari F458 GTE
Kamui Kobayashi/Naoki Yokomizo

LMGTC

#1 LAMBORGHINI TROPHY CAR 1
Lamborghini Trophy
pilotos a confirmar

#2 LAMBORGHINI TROPHY CAR 2
Lamborghini Trophy
pilotos a confirmar

#26 TEAM TAISAN KEN ENDLESS JPN
Porsche 996 GT300
Kyosuke Mineo/Yukinori Taniguchi

#37 BBT CHN
Lamborghini Gallardo FL2 GT3
Anthony Liu/Davide Rizzo/Massimiliano Wiser

#77 AF CORSE ITA
Ferrari F458 Italia GT3
Michele Rugolo/Andrea Bertolini/Steve Wyatt

#91 AAI TPE
McLaren MP4-12C GT3
Chen Jun San/Akira Iida

#92 AAI TPE
McLaren MP4-12C GT3
Han Chen Chen/Somchai Saksirivatekul/Chonsawat Asavahame

#007 CRAFT RACING AMR CHN
Aston Martin Vantage GT3
Stefan Mücke/Frank Yu/Keita Sawa

Anúncios

707

tumblr_mpqawzop8w1sqeekfo1_1280RIO DE JANEIRO – Apesar do título do post, não é um boeing: é o March 707 Chevrolet Can-Am do neozelandês Chris Amon, que correu com ele na Série Can-Am em 1970. Com a proverbial falta de sorte que lhe foi peculiar, só pontuou em três corridas naquele ano e terminou o campeonato em 11º lugar com 28 pontos.

A carreira de Amon será brevemente retratada na série dos “Outsiders”. E merece. Ele foi um dos pilotos mais rápidos de seu tempo e também um dos mais azarados.

 

Os 50 melhores pilotos não F-1 – parte 3

RIO DE JANEIRO – Seguimos com a lista da Autosport britânica que pôs em xeque quem seriam os melhores 50 pilotos em duas e quatro rodas além dos que estiveram na Fórmula 1. Esta é a terceira parte, com mais dez nomes e algumas controvérsias.

Vamos lá.

Jörg Müller

4.2.6_C_01_ALMS_Jörg-Müller.jpg.resource.1364380175924E a terceira parte da lista começa com um nome que, na opinião do blogueiro, é bem discutível. O alemão Jörg Müller até ganhou a Fórmula 3000 em 1996, no primeiro ano de uso dos chassis Lola após o domínio dos Reynard. Testou para Arrows, Williams e Sauber na Fórmula 1, mas não teve espaço. Migrou para as provas de Turismo, Protótipos e GTs, onde alcançou algum destaque. Hoje, não é dos principais pilotos da BMW, para quem guia desde 1999.

Gonzalo Rodriguez

gonzalo-rodrc3adguezO trágico e precoce desaparecimento desta promessa uruguaia faz pensarmos no que Gonzalo Rodriguez poderia ter feito no automobilismo se tivesse seguido sua carreira e não sofresse o acidente que o levou a morte em Laguna Seca, no ano de 1999, aos 27 anos de idade. “Gonzo” vencera no mesmo ano a Fórmula 3000 em Mônaco, uma honraria que nenhum outro piloto cisplatino conseguiu. E tão cedo conseguirá.

Stephen South

1709Mais um ponto de interrogação, pelo menos para os ingleses, que o incluem nesta lista. Stephen South, oriundo das Fórmulas 3 e 2, teve a grande chance de sua carreira quando foi chamado pela McLaren para substituir Alain Prost, impossibilitado de alinhar no GP dos EUA-Oeste em Long Beach. South não teve chance de conseguir um lugar no grid e as portas da Fórmula 1 se fecharam. Em agosto de 1980, treinava em Trois-Rivières, no Canadá, para uma prova da Can-Am, quando sofreu um acidente e lesões que provocaram parte da amputação de uma perna do piloto, pondo fim à sua carreira.

Satoshi Motoyama

mototyama_120224-02-06Piloto japonês que bateu à porta da Fórmula 1, mas não teve muitas chances. Suas oportunidades não passaram de treinos com a Jordan e testes com a Renault. No automobilismo de seu país, ganhou quatro títulos de Fórmula Nippon e hoje, com 42 anos, disputa o Super GT com um carro da Nissan.

Jason Watt

SEAT_Jason-Watt_00-[Olfert]O mestiço dinamarquês foi campeão da extinta Fórmula Opel em 1995 e  teve passagens pelo ITC com uma Alfa Romeo antes de ir para a Fórmula 3000, categoria onde chamou a atenção de muita gente na Fórmula 1. Quando todos apostariam que chegaria lá, um acidente pós-temporada ao testar uma motocicleta para uma publicação de seu país o deixou paraplégico. O determinado Watt não deixou as competições e disputa, até hoje, corridas com carros de turismo adaptados às suas necessidades.

Tony Stewart

imgTony Stewart3Eis um legítimo representante da Nascar na lista, mas que tem um passado ligado às competições de monopostos. Três vezes campeão com os Stock Cars estadunidenses, Tony Stewart foi vitorioso – e muito rápido também – na Fórmula Indy. Sua única chance de guiar um Fórmula 1 se resumiu a um teste em 2008, com a McLaren de Lewis Hamilton.

Paul Tracy

paul1Não é estranho ver Paul Tracy nesta lista dos 50 melhores pilotos que não chegaram à Fórmula 1, até porque sabemos que ele fez coisas boas no automobilismo dos EUA, especialmente na Penske e foi campeão da já decadente ChampCar em 2003. Mas o canadense poderia estar bem mais atrás na relação, que não seria nenhum demérito com ele. Tracy, como se vê na foto, andou até de Benetton e teve ofertas para entrar na categoria máxima. Mas declinou dos convites.

Klaus Ludwig

BFGoodrich Langstreckenmeisterschaft Nuerburgring, 39. Adenauer ADAC Rundstrecken-TrophyEste sim é um nome digno de figurar na relação – e bem mais à frente do que se encontra. Klaus Ludwig foi um dos excelentes representantes do automobilismo alemão entre os que nunca chegaram até a Fórmula 1. Ainda veterano, mostrou todo o seu talento ao ganhar o Mundial de Grã-Turismo ao lado do brasileiro Ricardo Zonta. Foi espetacular na condução dos Mercedes no DTM e também guiou muito bem em Protótipos e nos carros do DRM, antiga série de turismo com carros possantes e super preparados.

Frank Matich

Frank-MatichPiloto australiano nascido em 1935 (e ainda vivo) que, segundo consta, teria sido sondado por Colin Chapman para testar Fórmula 1 pela Lotus. Contudo, um acidente sofrido em 1965 fez os planos irem por água abaixo. Frank Matich tornou-se uma lenda no automobilismo interno na terra dos cangurus, ganhando várias vezes o Australian Tourist Trophy e andando muito bem na Fórmula 5000 e na Série Tasmânia. Retirou-se das pistas em 1974.

Will Power

img_13313_13313-will-power-da-penskeOutro piloto australiano que passou ao largo da Fórmula 1, Will Power nunca teve desempenhos brilhantes nas categorias de base. Mas se  encontrou no automobilismo dos EUA, primeiro na ChampCar e depois na Fórmula Indy, onde teve uma ótima chance de mostrar seu valor na Penske. É um excelente piloto em mistos, mas deixa a desejar nos ovais. Aos 32 anos, coleciona três vice-campeonatos em sequência na Indy, de 2010 a 2012.