30 anos do bi, parte X – GP da Alemanha de 1983

RIO DE JANEIRO – O Mundial de 1983 atingiu o fim do seu segundo terço com a disputa do GP da Alemanha, em mais uma pista de alta velocidade: Hockenheim. A corrida marcada para 7 de agosto representava um desafio de resistência para os motores turbocomprimidos e especialmente para a BMW: desde o GP do Brasil, Nelson Piquet continuava sem freqüentar o lugar mais alto do pódio e a marca de Munique queria muito vencer em casa. Entre os 30 carros inscritos, a única novidade era a inscrição de Stefan Bellof com um segundo carro da ATS. Mas a equipe de Gunther Schmidt desistiu da idéia e só 29 pilotos iniciaram os treinos.

Treinos

A excepcional fase da Ferrari, que vinha desde o GP dos EUA em Detroit, manteve-se firme em Hockenheim, no circuito encravado na Floresta Negra. Patrick Tambay fez a pole position, marcando 1’49″328 contra 1’49″435 de René Arnoux. Uma primeira fila toda vermelha, portanto.

mt

Andrea de Cesaris mostrou muita velocidade com a Alfa Romeo Turbo: fez o 3º tempo e conseguiu um lugar na segunda fila, deixando Nelson Piquet em quarto e a dupla da Renault – com Prost adiante de Eddie Cheever – na terceira fila. Keke Rosberg foi, como de hábito, o mais veloz entre os carros com motor V8 aspirados, mas a quase seis segundos da pole position: uma diferença verdadeiramente abissal.

Raul Boesel não foi além da penúltima posição, enquanto Kenny Acheson, Corrado Fabi e Manfred Winkelhock – que bateu no treino livre da sexta-feira e se machucou – não se classificaram.

Corrida

Patrick-Tambay-Ferrari-Hockenheim-1982-a22509550

Tambay fez a largada como manda o figurino: partiu bem e manteve a ponta, com Arnoux em segundo e Piquet – que saiu bem e trocou de posição com Andrea de Cesaris – em terceiro. As Renault de Prost e Cheever vinham a seguir e a dupla da equipe francesa ultrapassou logo na segunda volta o italiano da Alfa Romeo. Ao mesmo tempo, Arnoux roubava a ponta de Tambay.

A dupla da Ferrari manteve a dobradinha até a 9ª volta, quando o motor do carro de Tambay abriu o bico para explodir de vez pouco depois. Piquet passou para segundo, com Prost escudado por Cheever e Patrese em quinto, depois de ultrapassar Andrea de Cesaris.

Prost foi o primeiro dos líderes a reabastecer e trocar pneus: na 21ª volta, o líder do campeonato fez seu pit stop, voltando à pista em sexto lugar. Logo depois, de Cesaris atacou e ganhou a quarta posição de Riccardo Patrese, enquanto Arnoux também parava nos boxes: Piquet assumiu a liderança.

Cheever, que vinha em segundo, fez seu pit stop na 24ª passagem e de Cesaris parou três voltas depois. Faltava a dupla da Brabham: Patrese parou primeiro e Piquet entrou na 31ª volta, cedendo a ponta novamente para René Arnoux. O brasileiro voltou em segundo, e para melhorar, Prost perdia rendimento e posições, caindo para quinto, atrás de Cheever e de Cesaris.

Na 33ª volta, Prost despencou para sexto e o resultado daquele momento deixava Nelson Piquet a apenas um ponto do francês na liderança do campeonato. Ou seja: nada podia ser melhor… mas as coisas mudaram um pouco quando a bomba de gasolina da Renault de Cheever falhou a seis voltas do final e o piloto estadunidense, que vinha em terceiro, abandonou a competição.

mt

Só que o pior aconteceria na antepenúltima volta: a explosão, seguida de incêndio, no motor BMW da Brabham… de Nelson Piquet – uma quebra que ainda não havia se manifestado no carro do brasileiro, ao contrário dos freqüentes problemas enfrentados por Riccardo Patrese, que herdou a 3ª colocação atrás de Andrea de Cesaris.

83DE-B112

Arnoux venceu com uma incrível folga de um minuto e dez segundos sobre o italiano da Alfa Romeo – e com os nove pontos, chegou a 28, entrando de vez na briga pelo título. O quarto lugar de Prost rendeu mais três e o francês foi a 42 contra 33 de Nelson Piquet e 31 de Patrick Tambay.

O resultado final da corrida sofreu uma alteração logo depois de divulgado: Niki Lauda, que chegara em quinto, foi desclassificado por receber ajuda externa após uma rodada. John Watson herdou a posição e Jacques Laffite, devagar e sempre, fechou os seis que pontuaram no GP da Alemanha mais triste que a BMW poderia querer.

O resultado final do GP da Alemanha de 1983:

1. René Arnoux (Ferrari 126 C3 Turbo) – 45 voltas em 1h27min10s319, média de 210,525 km/h
2. Andrea de Cesaris (Alfa Romeo 183T Turbo) – a 1min10s652
3. Riccardo Patrese (Brabham BT52B BMW Turbo) – a 1min44s093
4. Alain Prost (Renault RE40 Turbo) – a 2min00s750
5. Niki Lauda (McLaren MP4/1C Cosworth) – a 1 volta (*)
6. John Watson (McLaren MP4/1C Cosworth) – a 1 volta
7. Jacques Laffite (Williams FW08C Cosworth) – a 1 volta
8. Marc Surer (Arrows A6 Cosworth) – a 1 volta
9. Thierry Boutsen (Arrows A6 Cosworth) – a 1 volta
10. Keke Rosberg (Williams FW08C Cosworth) – a 1 volta
11. Johnny Cecotto (Theodore N183 Cosworth) – a 1 volta
12. Danny Sullivan (Tyrrell 011 Cosworth) – a 2 voltas
13. Nelson Piquet (Brabham BT52B BMW Turbo) – a 3 voltas (**)
14. Eddie Cheever (Renault RE40 Turbo) – AB/38 voltas/bomba de combustível
15. Pier Carlo Ghinzani (Osella FA1E Alfa Romeo) – AB/34 voltas/motor
16. Raul Boesel (Ligier JS21 Cosworth) – AB/27 voltas/motor
17. Mauro Baldi (Alfa Romeo 183T Turbo) – AB/24 voltas/motor
18. Bruno Giacomelli (Toleman TG183B Hart Turbo) – AB/19 voltas/turbo
19. Derek Warwick (Toleman TG183B Hart Turbo) – AB/17 voltas/motor
20. Stefan Johansson (Spirit 201C Honda Turbo) – AB/11 voltas/motor
21. Patrick Tambay (Ferrari 126 C3 Turbo) – AB/11 voltas/motor
22. Elio de Angelis (Lotus 94T Renault Turbo) – AB/10 voltas/superaquecimento
23. Michele Alboreto (Tyrrell 011 Cosworth) – AB/4 voltas/bomba de combustível
24. Nigel Mansell (Lotus 94T Renault Turbo) – AB/1 volta/motor
25. Roberto Guerrero (Theodore N183 Cosworth) – AB/não completou a primeira volta/motor
26. Jean-Pierre Jarier (Ligier JS21 Cosworth) – NL/não largou

(*) desclassificado por receber ajuda externa
(**) teve o motor quebrado, mas como completou 90% do total de voltas, foi classificado

Classificação do Mundial de Pilotos: 1. Alain Prost – 42 pontos; 2. Nelson Piquet – 33; 3. Patrick Tambay – 31; 4. René Arnoux – 28; 5. Keke Rosberg – 25; 6. John Watson – 18; 7. Eddie Cheever – 14; 8. Niki Lauda e Jacques Laffite – 11; 10. Michele Alboreto – 9; 11. Andrea de Cesaris – 6; 12. Riccardo Patrese, Nigel Mansell e Marc Surer – 4; 15. Danny Sullivan – 2; 16. Mauro Baldi e Johnny Cecotto – 1 ponto.

Mundial de Construtores: 1. Ferrari – 59 pontos; 2. Renault – 56; 3. Brabham – 37; 4. Williams – 36; 5. McLaren – 27; 6. Tyrrell – 11; 7. Alfa Romeo – 7; 8. Lotus e Arrows – 4; 10. Theodore – 1 ponto.

Anúncios

3 respostas em “30 anos do bi, parte X – GP da Alemanha de 1983

    • explicando: Lauda tinha perdido o ponto de parada da McLaren no box,quando foi fazer seu pit-stop,e Lauda usou a marcha a ré pra colocar o carro na posição correta de parada,e por isso foi desclassificado.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s