30 anos do bi, parte XII – GP da Holanda de 1983

83NL-A049

RIO DE JANEIRO – A 12ª etapa do Mundial de Fórmula 1 de 1983 seria mais um dos rounds decisivos pelo título daquele ano. Com 14 pontos de vantagem, Alain Prost era favorito e a vice-liderança de Nelson Piquet era seriamente ameaçada pela dupla da Ferrari. Mas o brasileiro se mostrava tranqüilo. Antes da corrida realizada em Zandvoort, sem nenhum tom de bravata, disse que as novidades implementadas por Gordon Murray e pela BMW tornariam o BT52B o carro a ser batido na reta final da temporada. É claro que os franceses não deram nenhuma pelota, até porque ninguém da imprensa daquele país acreditava que fosse possível uma reviravolta contra Alain Prost.

Para a corrida prevista para 28 de agosto, a grande novidade entre os 29 carros inscritos era a estreia do motor Porsche Turbo, projeto de Hans Mezger e financiado pela Techniques d’Avant Garde (TAG) de Mansour Ojjeh, sócio minoritário de Ron Dennis, dono da McLaren. O novo carro, rebatizado MP4/1E estreou somente nas mãos do austríaco Niki Lauda, enquanto John Watson ficava com o carro de motor “convencional” Ford Cosworth.

Treinos

Nelson Piquet mostrou aos franceses que não estava pra brincadeira no circuito holandês. Com a tal Brabham remodelada, o brasileiro fez sua primeira pole position no ano, com o tempo de 1’15″630, enquanto o segundo colocado era Patrick Tambay, com 1’16″370. A Renault estava na segunda fila, é bem verdade que com a Lotus de Elio de Angelis em terceiro, porém com o líder do campeonato na quarta posição. Nigel Mansell e Riccardo Patrese fecharam os seis mais rápidos.

A surpresa positiva foi a Toleman Hart de Derek Warwick em sétimo, em contraponto com a 10ª posição da Ferrari de René Arnoux. Já o McLaren TAG Porsche tinha uma estréia discreta: 19º lugar, com Niki Lauda cinco posições abaixo do melhor carro com motor Cosworth, que era a Arrows de Marc Surer. O vexame dos treinos foi o desempenho do campeão mundial de 1982, Keke Rosberg: o finlandês não conseguiu nada melhor do que a 23ª posição no grid, largando ao lado do brasileiro Raul Boesel. Pier Carlo Ghinzani, Johnny Cecotto e Kenny Acheson não conseguiram lugar entre os 26 que largariam no GP da Holanda.

Corrida

83NL-A004

Tudo nos conformes para Nelson Piquet, na largada: o brasileiro começou bem e assumiu a ponta, com Eddie Cheever superando Alain Prost de forma surpreendente para passar ao segundo lugar (pois saíra em oitavo), beneficiado também pela péssima largada de Patrick Tambay, que completou a primeira volta em 21º. Arnoux vinha em sétimo, superando de Angelis na segunda volta para entrar na zona de pontuação.

Prost tratou de “pôr ordem na casa” e enquanto a Alfa do italiano Andrea de Cesaris tinha problemas após um forte início, o francês ultrapassou Cheever e assumiu o segundo lugar. Com a quebra da Alfa, Arnoux subiu pra quinto, enquanto Derek Warwick ganhava a sexta posição. Lauda vinha num discreto 16º lugar, duas posições atrás de Keke Rosberg. Raul Boesel era o 23º colocado.

Na oitava volta, Patrese passou Cheever e veio para terceiro. O plano da Brabham, ensanduichando Prost entre Piquet e Patrese, vinha dando certo. Mas René Arnoux vinha muito forte e logo depois, ganhou a quarta posição de Cheever. Patrick Tambay, em sensacional prova de recuperação, era o 11º colocado. Lauda vinha em 13º e Boesel, em décimo-nono.

001-HOL

O desempenho da Ferrari era surpreendente em Zandvoort: Arnoux não tardou para ultrapassar Riccardo Patrese, enquanto Tambay vinha em oitavo. Com o pit stop da Toleman de Derek Warwick na 32ª volta, o francês do carro #27 passou para sétimo. Logo depois, quem dava adeus à prova era Niki Lauda: o motor Porsche quebrava na estreia.

BMW-F1-Piquet 1983

GP-HOLANDA

Nessa altura, a tensão da disputa entre Brabham e Renault, Nelson Piquet e Alain Prost, era enorme. Difícil saber quem pararia primeiro nos boxes. Na equipe inglesa, Riccardo Patrese parou primeiro, na 41ª volta. E foi neste momento em que a corrida tomou outro rumo: na freada para a curva Tarzan, Alain Prost tentou uma manobra arriscada de ultrapassagem sobre o líder Piquet. Os dois se tocaram, o brasileiro saiu reto e bateu na proteção de pneus.

Prost sobreviveu na ponta, por pouco tempo, pois com o spoiler dianteiro danificado no choque, o francês perdeu pressão aerodinâmica na Renault. E algumas curvas depois, ele bateria também. Resultado: Arnoux ganhou a liderança de presente, com John Watson em segundo e Patrick Tambay em terceiro. Todavia, o irlandês da McLaren parou para reabastecer na 44ª volta e Patrese, que superara a Ferrari #27 de Tambay, vinha para segundo.

O italiano deu o máximo de sua Brabham, descontando a diferença para René Arnoux para ameaçar a liderança francesa e ferrarista. Mas o motor começou a falhar justo quando não podia: na 66ª volta, Patrese foi para os boxes, perdendo duas voltas. A sorte de Arnoux foi tão grande que ele tinha mais de 20 segundos de vantagem sobre Patrick Tambay, que completou uma dobradinha tão inesperada quanto surpreendente. Afinal de contas, Arnoux assumia a vice-liderança do campeonato com 43 pontos e Tambay se igualava a Nelson Piquet no 3º lugar do Mundial de Pilotos.

John Watson, com a regularidade costumeira, chegou ao pódio com o McLaren Cosworth, enquanto Derek Warwick, em ótima atuação, ofertava à Toleman os três primeiros pontos da equipe – e dele também – na Fórmula 1. Mauro Baldi foi um bom 5º colocado e Michele Alboreto, com a Tyrrell, marcou o último ponto da corrida.

Mantida a diferença de 14 pontos para Alain Prost, Piquet continuava otimista: “Vou ser campeão mundial de novo”.

Mal sabia a francesada o que viria dali pra diante…

O resultado final do GP da Holanda de 1983:

1. René Arnoux (Ferrari 126 C3 Turbo) – 72 voltas em 1h38min41s950, média de 186,107 km/h
2. Patrick Tambay (Ferrari 126 C3 Turbo) – a 20s839
3. John Watson (McLaren MP4/1C Cosworth) – a 43s741
4. Derek Warwick (Toleman TG183B Hart Turbo) – a 1min16s839
5. Mauro Baldi (Alfa Romeo 183T Turbo) – a 1min23s292
6. Michele Alboreto (Tyrrell 012 Cosworth) – a 1 volta
7. Stefan Johansson (Spirit 201C Honda Turbo) – a 2 voltas
8. Marc Surer (Arrows A6 Cosworth) – a 2 voltas
9. Riccardo Patrese (Brabham BT52B BMW Turbo) – a 2 voltas
10. Raul Boesel (Ligier JS21 Cosworth) – a 2 voltas
11. Corrado Fabi (Osella FA1E Alfa Romeo) – a 4 voltas (*)
12. Roberto Guerrero (Theodore N183 Cosworth) – a 4 voltas
13. Bruno Giacomelli (Toleman TG183 Hart Turbo) – a 4 voltas
14. Thierry Boutsen (Arrows A6 Cosworth) – a 7 voltas (*)
15. Keke Rosberg (Williams FW08C Cosworth) – AB/53 voltas/pane elétrica
16. Manfred Winkelhock (ATS D6 BMW Turbo) – desclassificado/50 voltas/bandeira preta por ultrapassar na volta de apresentação
17. Nelson Piquet (Brabham BT52B BMW Turbo) – AB/41 voltas/acidente
18. Alain Prost (Renault RE40 Turbo) – AB/41 voltas/acidente
19. Eddie Cheever (Renault RE40 Turbo) – AB/39 voltas/pane elétrica
20. Jacques Laffite (Williams FW08C Cosworth) – AB/37 voltas/quebra da barra de direção
21. Nigel Mansell (Lotus 94T Renault Turbo) – AB/26 voltas/rodada
22. Niki Lauda (McLaren MP4/1E TAG Porsche Turbo) – AB/25 voltas/motor
23. Danny Sullivan (Tyrrell 011 Cosworth) – AB/12 voltas/motor
24. Elio de Angelis (Lotus 94T Renault Turbo) – AB/10 voltas/alimentação
25. Andrea de Cesaris (Alfa Romeo 183T Turbo) – AB/5 voltas/motor
26. Jean-Pierre Jarier (Ligier JS21 Cosworth) – AB/3 voltas/acidente

Classificação do Mundial de Pilotos: 1. Alain Prost – 51 pontos; 2. René Arnoux – 43; 3. Patrick Tambay e Nelson Piquet – 37; 5. Keke Rosberg – 25; 6. John Watson – 22; 7. Eddie Cheever – 17; 8. Niki Lauda – 12; 9. Jacques Laffite – 11; 10. Michele Alboreto – 10; 11. Nigel Mansell e Andrea de Cesaris – 6; 13. Riccardo Patrese e Marc Surer – 4; 15. Derek Warwick e Mauro Baldi – 3; 17. Danny Sullivan – 2; 18. Johnny Cecotto – 1 ponto.

Mundial de Construtores: 1. Ferrari – 80 pontos; 2. Renault – 68; 3. Brabham – 41; 4. Williams – 36; 5. McLaren – 34; 6. Tyrrell – 12; 7. Alfa Romeo – 9; 8. Lotus – 6; 9. Arrows – 4; 10. Toleman – 3; 11. Theodore – 1 ponto.

(*) abandonaram por problemas de motor, mas receberam classificação ao final da corrida

Anúncios

9 respostas em “30 anos do bi, parte XII – GP da Holanda de 1983

  1. Rodrigo, se não me falha a memória o Piquet disse uma vez que já estava com a suspensão quebrada quando do acidente e que ele tinha induzido Prost a fazer a ultrapassagem.

    O curioso é que esta prova foi em um sábado

      • Até porque é impossível ter acontecido isso, pois foi o Prost que errou a curva e acertou o Piquet. No mínimo você deve ter lido esta insanidade em alguma revista Racing de 1997. Eles são craques em escrever esse tipo de asneira, sem falar dos erros de impressão absurdos. Se duvida é só ver o vídeo da batida: http://www.youtube.com/watch?v=XZMKgT5tDPw

  2. Rodrigo, você não pensa em fazer uma entrevista com o Piquet para ele falar sobre esta temporada de 1983? Seria interessante acompanhar.

  3. e nos treinos,de Cesaris havia dado dois empurrões no capacete do Patrese,tão logo este parou nos boxes e reclamando de algo com ele.

    vc sabe algo a respeito disso,Rodrigo?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s