30 anos do bi, parte XIII – GP da Itália de 1983

001-ITA

RIO DE JANEIRO – Onze de setembro de 1983. Naquele dia, seria disputada mais uma edição do Grande Prêmio da Itália no mítico circuito de Monza, onde a Ferrari é a razão de ser do torcedor italiano, que pouco se lixa – até hoje – para os seus pilotos compatriotas. E a corrida tinha tudo para ser mais uma festa vermelha, pois René Arnoux vencera na Holanda, era o vice-líder do Mundial de Pilotos, Patrick Tambay era o terceiro empatado com Nelson Piquet e a briga prometia na antepenúltima prova da temporada.

A única novidade entre os 29 carros inscritos era a chegada do segundo McLaren TAG Porsche para John Watson, aumentando o número de modelos com motores turbo para dezesseis, contra 13 “convencionais”, onze com o Ford Cosworth V8 e as duas Osella com motores Alfa Romeo V12. Na pista italiana, com pressão máxima na classificação, os motores turbocomprimidos poderiam alcançar, fácil, a casa dos 1000 HP!

Treinos

scanned by Pilosio

Dando seqüência à evolução do BT52B e do motor BMW Turbo, Riccardo Patrese conquistou a segunda pole position na carreira e da Brabham em 1983. O italiano registrou o tempo mais rápido da qualificação com 1’29″122 – mais de meio segundo à frente de Patrick Tambay, que fez a festa da Ferrari. René Arnoux fez o 3º melhor tempo e Nelson Piquet ficou com a quarta posição.

Alain Prost teve um rendimento muito abaixo do esperado: foi dois segundos mais lento que a pole de Patrese e ficou na quinta posição, largando ao lado de Andrea de Cesaris. Os italianos tinham ainda Eddie Cheever (que é estadunidense de ascendência italiana) em sétimo, Elio de Angelis em oitavo e Mauro Baldi na décima colocação.

Os quinze primeiros do grid eram modelos com motor turbo, vindo em 16º a Williams de Keke Rosberg. Surpresa foi ver Jacques Laffite no grupo dos não classificados, com o 28º tempo. Raul Boesel ficou como o primeiro reserva e Kenny Acheson, para variar, não classificou o RAM March.

Corrida

0118_013.jpg

Autorizado o “larga”, Riccardo Patrese manteve a liderança, enquanto Nelson Piquet partiu para o ataque e ganhou a segunda posição de Patrick Tambay. Arnoux ficou mesmo em quarto, com Cheever em quinto e de Cesaris em sexto. Prost largou mal, caindo para sétimo.

A dobradinha da Brabham durou muito pouco: o motor do carro de Patrese explodiu logo na terceira volta e Piquet recebeu de presente a liderança. A esta altura, Andrea de Cesaris já tinha rodado com sua Alfa na Variante del Rettifilo e faltou pouco para Prost não ir junto. O francês meteu o pé no freio para evitar o choque com a Alfa Romeo e ficou para trás em relação aos que vinham à sua frente.

Arnoux e Cheever superaram Patrick Tambay e vinham em segundo e terceiro, respectivamente. Prost era um discreto quinto e Elio de Angelis o sexto colocado.

O medíocre rendimento do Renault Turbo #15 ficou evidente na altura da 11ª volta. Enquanto Piquet buscava abrir vantagem para Arnoux, o líder do campeonato perdia o quinto lugar para de Angelis. Com a Lotus Renault e os pneus Pirelli rendendo bem, o italiano não tardou a ultrapassar também a Ferrari de Patrick Tambay – um resultado que interessava muito aos dois líderes da prova. Enquanto isso, o motor TAG Porsche do McLaren de John Watson fundiu quando o irlandês já era o sétimo colocado.

Prost corria sob a recomendação de manter o motor no menor giro possível, com cautela, evitando uma quebra que lhe impedisse de pontuar em Monza, justamente no momento decisivo do campeonato. Ele sabia que, por mais que Eddie Cheever tentasse, o estadunidense não teria o suficiente arrojo para deixar pra trás a Piquet e Arnoux.

Na 24ª volta, Elio de Angelis entrou nos boxes, sendo o primeiro do grupo da frente a reabastecer e trocar pneus. O italiano da Lotus voltou à pista em sétimo… e quando todo mundo prestava atenção à passagem dos líderes, o motor da Renault de Prost fundiu logo depois, deixando o francês a pé e bem longe dos boxes. Para Piquet e Arnoux, melhor, impossível.

0000519l

Aliás, o francês da Ferrari e Eddie Cheever tinham parado um pouco antes da quebra de Prost, para seus reabastecimentos de rotina. Arnoux voltou à pista atrás de Patrick Tambay, mas com o pit stop do companheiro de equipe, voltou ao segundo lugar com Cheever na 3ª posição.

Na liderança, Piquet fazia seu papel: abrindo vantagem volta após volta, o brasileiro conquistava conforto suficiente para efetuar seu reabastecimento e a troca de pneus sem perder o primeiro lugar para René Arnoux. E foi o que aconteceu. Piquet entrou nos boxes, a Brabham foi muito eficiente no pit stop e ele voltou à pista na ponta novamente.

19834

E nada mais aconteceu, com Piquet completando a corrida pouco mais de dez segundos à frente de René Arnoux. Ao não conseguir ajudar Alain Prost, Eddie Cheever – mesmo com o pódio – teve a notícia ainda em Monza que estava fora dos planos da Renault para 1984. Patrick Tambay foi um discreto quarto colocado, com Elio de Angelis marcando os dois primeiros pontos dele no ano e Derek Warwick, de novo nos pontos com a Toleman, na sexta posição.

1983italypiquet2ad8

A duas provas do término de um campeonato eletrizante, só onze pontos separavam Prost, o líder, do quarto colocado, Patrick Tambay. Entre eles, René Arnoux, com 49 e Nelson Piquet, com 46. O próximo “xadrez a 300 km/h” seria jogado numa espécie de quintal de casa de Nelson e da Brabham: o autódromo de Brands Hatch.

Pior para os franceses, que ouviam cada vez mais próxima, a frase que soou piada, mas que tinha jeito e cheiro de profecia. “Vou ser campeão mundial de novo”.

O resultado final do GP da Itália de 1983:

1. Nelson Piquet (Brabham BT52B BMW Turbo) – 52 voltas em 1h23min10s880, média de 217,549 km/h
2. René Arnoux (Ferrari 126C3 Turbo) – a 10s212
3. Eddie Cheever (Renault RE40 Turbo) – a 18s612
4. Patrick Tambay (Ferrari 126C3 Turbo) – a 29s023
5. Elio de Angelis (Lotus 94T Renault Turbo) – a 53s680
6. Derek Warwick (Toleman TG183B Hart Turbo) – a 1min13s348
7. Bruno Giacomelli (Toleman TG183B Hart Turbo) – a 1min33s922
8. Nigel Mansell (Lotus 94T Renault Turbo) – a 1min36s035
9. Jean-Pierre Jarier (Ligier JS21 Cosworth) – a 1 volta
10. Marc Surer (Arrows A6 Cosworth) – a 1 volta
11. Keke Rosberg (Williams FW08C Cosworth) – a 1 volta (*)
12. Johnny Cecotto (Theodore N183 Cosworth) – a 2 voltas
13. Roberto Guerrero (Theodore N183 Cosworth) – a 2 voltas
14. Corrado Fabi (Osella FA1E Alfa Romeo) – AB/45 voltas/motor
15. Danny Sullivan (Tyrrell 011 Cosworth) – AB/44 voltas/bomba de combustível
16. Thierry Boutsen (Arrows A6 Cosworth) – AB/41 voltas/motor
17. Manfred Winkelhock (ATS D6 BMW Turbo) – AB/35 voltas/pneu estourado
18. Michele Alboreto (Tyrrell 012 Cosworth) – AB/28 voltas/embreagem
19. Alain Prost (Renault RE40 Turbo) – AB/26 voltas/turbo
20. Niki Lauda (McLaren MP4/1E TAG Porsche Turbo) – AB/24 voltas/pane elétrica
21. John Watson (McLaren MP4/1E TAG Porsche Turbo) – AB/13 voltas/motor
22. Pier Carlo Ghinzani (Osella FA1E Alfa Romeo) – AB/10 voltas/caixa de câmbio
23. Mauro Baldi (Alfa Romeo 183T Turbo) – AB/4 voltas/turbo
24. Stefan Johansson (Spirit 201C Honda Turbo) – AB/4 voltas/distribuidor
25. Riccardo Patrese (Brabham BT52B BMW Turbo) – AB/2 voltas/motor
26. Andrea de Cesaris (Alfa Romeo 183T Turbo) – AB/2 voltas/rodada

(*) penalizado em 1 minuto por queima de largada

Classificação do Mundial de Pilotos: 1. Alain Prost – 51 pontos; 2. René Arnoux – 49; 3. Nelson Piquet – 46; 4. Patrick Tambay – 40; 5. Keke Rosberg – 25; 6. John Watson – 22; 7. Eddie Cheever – 21; 8. Niki Lauda – 12; 9. Jacques Laffite – 11; 10. Michele Alboreto – 10; 11. Nigel Mansell e Andrea de Cesaris – 6; 13. Riccardo Patrese, Marc Surer e Derek Warwick – 4; 16. Mauro Baldi – 3; 17. Elio de Angelis e Danny Sullivan – 2; 19. Johnny Cecotto – 1 ponto.

Mundial de Construtores: 1. Ferrari – 89 pontos; 2. Renault – 72; 3. Brabham – 50; 4. Williams – 36; 5. McLaren – 34; 6. Tyrrell – 12; 7. Alfa Romeo – 9; 8. Lotus – 8; 9. Toleman e Arrows – 4; 11. Theodore – 1 ponto.

Anúncios

Uma resposta em “30 anos do bi, parte XIII – GP da Itália de 1983

  1. Chegara o momento da reação do Nélson no campeonato que teve seu início com o acidente em Zandvoort. Além das modificações introduzidas na Holanda terem dado certo, o Prost começou a não terminar as corridas. Apesar que depois de Monza o Arnoux pintava como o grande favorito ao título, pois vinham de uma sequência incrível, a partir do Canadá, de cinco pódios (três vitórias e dois segundos) em seis corridas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s