Sistema de cotas no USCC

Grand-Am-ALMS-Road-America

RIO DE JANEIRO – Um dos aspectos que vai dar o que falar para o novo certame United Sports Car Championship, que inaugura sua temporada em 2014 com as 24 Horas de Daytona, tanto quanto a questão do Balance of Performance (BoP) para equalizar o desempenho dos Daytona Prototypes com os LMP2 regulamentados pelo ACO/FIA será uma espécie de sistema de cotas de carros por classe no ano que vem.

Com a junção entre Rolex Sports Car Series (Grand-Am) e American Le Mans Series, chegou-se à conclusão que diversas pistas do calendário não têm condições de abrigar grids extensos e que o melhor para o novo USCC é limitar a presença de carros em cada classe a números pré-determinados de acordo com a largura e extensão das pistas e o espaço do paddock de cada uma delas.

Isto posto, a principal classe – Prototype, englobando os DPs, os LMP2 e o Delta Wing, terá uma participação máxima de 19 carros na maioria dos eventos, com autorização para 20 bólidos nas seguintes pistas: Sebring, Long Beach, Mazda Raceway (Laguna Seca), Detroit e Indianápolis.

A classe PC (Prototype Challenge) é a que mais vai sofrer com a novidade. Devido ao aumento dos custos de preparação dos DPs para 2014 e também com a recorrente queda de competitividade da LMP2, com apenas duas equipes na ALMS neste ano, a classe PC tornou-se uma alternativa viável e de baixo custo para vários times.

Muitos inclusive tinham começado a preparar chassis visando o próximo campeonato e, das duas uma: ou a organização volta atrás ou muitos terão que rever os planos. A divisão ficou limitada a apenas 10 autos por prova. Muito pouco, considerando que a subclasse vai fazer uma corrida solitária no Kansas, que entrou no calendário de última hora.

A divisão GTLM (GT Le Mans), com os modelos Grã-Turismo homologados de acordo com o regulamento ACO/FIA terá um limite de 12 carros/prova na maioria das pistas, com exceção feita a Virginia International Raceway (19), Long Beach (16), Sebring e Indianápolis (14 em cada). Esse total, entretanto, não deve sofrer muitas alterações durante todo o ano, pois a média de inscritos por prova na ALMS sempre foi de onze carros em 2013.

Na GTD, que congregará os Porsche Cup da ALMS e os carros GT da Rolex Sports Car Series, o limite será de 19 veículos em todo o campeonato, exceto Detroit, com previsão de até 21 inscritos.

Se as contas não falham, o máximo de carros por corrida será este:

24h de Daytona – 60 carros (19 P, 10 PC, 12 GTLM e 19 GTD)
12h de Sebring – 63 carros (20 P, 10 PC, 14 GTLM, 19 GTD)
Long Beach – 36 carros (20 P, 16 GTLM)
Laguna Seca – duas provas em separado, com 32 carros (20 P, 12 GTLM) numa corrida e 29 noutra (10 PC e 19 GTD)
Detroit – 41 carros (20 P, 21 GTD)
Kansas – 10 carros (todos PC, correndo com os IMSA Cooper Tires Prototype Lites, em duas baterias)
Watkins Glen International – 60 carros (19 P, 10 PC, 12 GTLM, 19 GTD)
Mosport – 50 carros (19 P, 12 GTLM, 19 GTD)
Indianápolis – 63 carros (20 P, 10 PC, 14 GTLM, 19 GTD)
Road America – 60 carros (19 P, 10 PC, 12 GTLM, 19 GTD)
Virginia International Raceway – duas provas em separado, com 10 carros (todos PC, correndo com os IMSA Cooper Tires Prototype Lites, em duas baterias) numa corrida e 38 noutra (19 GTLM e 19 GTD)
COTA – 60 carros (19 P, 10 PC, 12 GTLM, 19 GTD)
Petit Le Mans – 60 carros (19 P, 10 PC, 12 GTLM, 19 GTD)

Anúncios

14 respostas em “Sistema de cotas no USCC

  1. Sinceramente, esse “enforcamento” dos PC não me agrada. Me parece uma tentativa de levar mais times para a classe principal de protótipos, mas que pode ser um tiro no pé, já que eles podem simplesmente resolver abandonar a competição: Uma pena: a classe PC costuma ter bons pegas, e, nesse ano, inclusive, apresentaram uma boa melhora no desempenho.

    • Não sei se concordam comigo, mas acho que a ideia da IMSA (leia-se NASCAR) é matar a LMPC com os Oreca FLM09 e enfiar goela abaixo o DeltaWing Coupé que passará a ser vendido a clientes.

  2. É complicado. Podemos ver o lado obscuro e da conspiração mas realisticamente falando, não tem espaço pra todo mundo nos pits das pistas. Se todas as corridas o pessoal for querer alinhar 40 carros aí vai ser difícil mesmo, não tem pit pra todo mundo.

  3. Mas vai virar um samba do americano doido esse campeonato! Continuo achando que os P2s enfiarão uma quantidade absurda de tempo nos DPs.

    Essas pistas mistas do interiorzão dos EUA são pequenas, precárias e perigosas, mas que são a coisa mais linda do mundo, são!

  4. Uma forma de aumentar o grid e resolver problema de pitlane é obrigar os times com mais de 1 carro a dividirem o mesmo pitstall. Só autorizando a liberação de outro pitstall apenas se o time possuir acima de 3 carros sendo que cada pitstall seria pra dois carros por questões de segurança.

  5. Cabem 60 carros em Watkins Glens.?? Acho que não. Essa foto aí de cima não foi feita em Watkins Glens este ano? Ou estou enganado. Se meterem lá 60 carros vai ser igual engarrafamento na ponte Rio Niterói em vésperas de ano novo ou feriado prolongado.

  6. Os grids das corridas do USCC, são maiores até que o FIA WEC.
    Enquanto no FIA WEC nem chega a 30 carros, no USCC teremos entre 40 e 60 carros por prova.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s