IMSA divulga inscritos do ROAR em Daytona

121013_DIS_BC_104097

ARARUAMA – Fim de ano movimentado também no automobilismo dos EUA. Após a passagem de ano, as equipes inscritas no Tudor United SportsCar Championship começam os preparativos para a abertura do campeonato de 2014, marcada para 26 e 27 de janeiro em Daytona, na Flórida, com a tradicional 24 Horas.

A IMSA fez o favor de divulgar os inscritos para os treinos de pré-temporada, marcados para acontecer de 3 a 5 de janeiro. De saída, foram anunciados 68 bólidos, mas houve os forfaits da Risi Competizione na GT Le Mans e de uma das inscrições da BAR1 Motorsports na Prototype Challenge.

Assim, o total de carros baixou para 66, com 17 concorrentes na classe Prototype, onze na Prototype Challenge, dez na GT Le Mans e nada menos que 28 na profícua divisão GT Daytona, que concentra o maior número de inscrições.

As novidades anunciadas entre os inscritos da divisão principal de protótipos são a volta do veterano Wayne Taylor às pistas, compondo um time familiar com os filhos Jordan e Ricky, bem como a inscrição de Tristan Nunez como um dos pilotos dos Mazda LMP2 com motor Skyactiv-D, da SpeedSource.

Na classe principal, aliás, os únicos brasileiros confirmados são Christian Fittipaldi, pela Action Express Racing e Oswaldo “Ozz” Negri, com a Mike Shank Racing. Espera-se o anúncio de Tony Kanaan numa das duas formações da Chip Ganassi Racing. Questão de tempo para isso, acredito eu.

Na Prototype Challenge, foi confirmada a participação de Sam Bird e Rob Huff nas 24 Horas de Daytona, pela Starworks. Por enquanto, os dois não aparecem na lista de inscritos do ROAR. Eric Lux, Alex Popow, Mirco Schultis, Renger Van der Zande e Martín Fuentes estão entre os que vão andar com o time de Peter Baron nos testes.

Tom Kimber-Smith foi anunciado como um dos pilotos da 8Star Motorsports e Colin Braun retornará ao programa da CORE Autosport em 2014. Entre os brasileiros, Raphael Matos foi o único até aqui confirmado com o #38 da Performance Tech ao lado de Jon Brownson e Charlie Shears, mas Bruno Junqueira deverá competir no #09 da RSR junto a Duncan Ende e David Heinemeier-Hänsson.

A Risi não participará em Daytona, mas fará a assessoria técnica para a Krohn Racing na prova de abertura do campeonato, onde outro time ausente é o Team Falken Tire, que ainda não recebeu seu Porsche 2014. Na BMW, um dos participantes é Graham Rahal, filho do dono do time. E na Aston Martin, treinarão cinco pilotos – Darren Turner, Stefan Mücke, Richie Stanaway, Pedro Lamy e Paul Dalla Lana. Nada de Bruno Senna, por enquanto.

O excelente contingente da classe GT Daytona começa a se desenhar com um total de doze Porsches, sete Ferrari, cinco Audi, dois Aston Martin, um SRT Viper e uma BMW. Entre as novidades está a presença do australiano Shane Van Gisbergen, fera do International V8 Supercars, com o Porsche #22 da Alex Job Racing ao lado de Cooper MacNeil, Leh Keen e Louis-Philippe Dumoulin.

Outra atração, pelo menos para nós, será a Ferrari 100% brasileira, furo anunciado aqui no blog há algumas semanas. A Scuderia Corsa alugou a Ferrari F458 #65 para Chico Longo e seus parceiros, que desta vez serão Daniel Serra, Xandinho Negrão e Marcos Gomes. Eles já participam do ROAR nesta semana. Outro brasileiro confirmado na GT Daytona é Augusto Farfus, com a BMW Z4 GT3 #94 da Turner Motorsport, ao lado de Dane Cameron, Markus Palttala e Paul Dalla Lana.

A lista de inscritos para o ROAR Before The Rolex 24 está aqui

Anúncios

O incômodo viés jornalístico

ARARUAMA – Interrompo momentaneamente o meu sagrado direito à folga de fim de ano, onde estou desfrutando do sol escaldante de Araruama e virando um camarão em forma de gente, para escrever algumas linhas sobre o que ocorreu ontem com o heptacampeão mundial de Fórmula 1 Michael Schumacher.

Ocioso dizer que o alemão está em estado crítico, em coma induzido e isso todo mundo já noticiou. É de domínio público. Mas o que mais incomoda este blogueiro aqui é o viés jornalístico de uma situação impactante como esta.

Estigmatizou-se Schumacher, especialmente no Brasil, como inimigo público número #1, um demônio em forma de gente, uma pedra no sapato da pachecada, porque atrapalhava Ayrton Senna em 1994 e fez o mesmo durante muitos anos com Rubens Barrichello. Nada menos exato. Schumacher era um vencedor e mostrou isso ao longo de todo o seu tempo no automobilismo. Como todo sujeito determinado a atingir seus objetivos, passou por cima da ética e de muitos valores para chegar onde chegou.

Quem foi mesmo o agraciado com o apelido de Dick Vigarista? Quem será o vilão de enredo de escola de samba no Rio de Janeiro em 2014?

Mas Michael é humano como todos nós. E, encerrada a carreira, podia muito bem curtir os filhos Mick e Gina, a mulher Corinna e desfrutar uma merecida aposentadoria sem fazer absolutamente nada. Ocorre que, após décadas vivendo a linha tênue entre a vida e a morte, Schumacher convive e continuou convivendo com o risco, mesmo retirado do automobilismo. E aí, numa queda de esqui, aconteceu o que todo mundo já sabe.

Falo tudo isso porque me indigna a pouca importância que se dá a um incidente como este, em paralelo ao ocorrido com o lutador de MMA Anderson Silva, em Las Vegas.

Respeito a quem opta por gostar de MMA. Não é o meu caso, nem nunca será, por uma questão óbvia. Não me atrai ver dois caras num octógono se surrando até quase a morte. Anderson Silva, a exemplo de Schumacher, também convive com o risco. Não só de perder a vida, como também de sofrer lesões graves feito a fratura dupla de sua perna esquerda, na luta contra Chris Weidman no último sábado.

Porém, a notícia do ocorrido com o “gladiador do terceiro milênio”, como diz um filósofo, é fichinha perto do que aconteceu com Schumacher e a notícia da fratura do lutador foi tratada como se fosse uma tragédia, uma hecatombe. O alemão luta pela vida e a cobertura da mídia brasileira é rasteira, para não dizer simplesmente medíocre – salvo honrosas exceções.

Eu gostaria de saber o seguinte: caso fosse um brasileiro a sofrer o acidente de esqui e tivesse ele sete títulos mundiais, quem seria notícia? A questão agora é o interesse sobrepujando o bom jornalismo?

Que pena que as coisas caminhem num mau sentido. O ano de 2013 se encerra da pior maneira possível. Para o esporte e, pasmem, para o jornalismo.

Ah… e antes que eu me esqueça: eu considero automobilismo esporte SIM, da mesma forma que os defensores do MMA o reputam como tal.

Vou voltar à minha folga. E boa noite a todos.

Feliz 2014!

2014

RIO DE JANEIRO – Em menos de 72 horas, 2014 estará aí. O novo ano já aponta no fim da reta e o blog está recebendo a bandeira quadriculada – neste ano de 2013, que fique bem claro.

Foram mais de 1,1 milhão de views nos últimos 12 meses. E profissionalmente não tenho do que me queixar. Foi um ano maravilhoso. Especialmente a partir de maio, como todo mundo sabe.

2013 foi um ano de lições em todos os sentidos. Aprendi muito e espero que todos vocês, leitoras e leitores, estejam prontos para um ano novo repleto de desafios e realizações.

O blog faz uma pequena pausa. Voltamos em 2 de janeiro, preparando o terreno para falar do Roar Before The Rolex 24, os treinos coletivos para as 24h de Daytona e também do Rali Dakar, que começa no dia 5 em Rosario, na Argentina.

Feliz Ano Novo para todos!

Discos eternos – Os afro-sambas (1966)

folder

RIO DE JANEIRO – Quando Vinícius de Moraes se autointitulava “o branco mais negro do Brasil”, era bem difícil duvidar das palavras do poetinha.

Mas a negritude do Vina só viria à tona quando foi presenteado por Carlos Coqueijo, compositor bissexto e juiz do Tribunal Regional do Trabalho da Bahia com um disco contendo sambas de roda, pontos de candomblé e toques de berimbau que o encantaram de modo que ele não só passou a se intitular enfaticamente um filho de Oxalá e na linha direta de Xangô como, anos depois, se casaria com a baiana Gessy Gesse e fixaria residência naquele estado.

Voltando algum tempo antes de 1965, Vinícius, desejoso de transformar aquela inspiração toda em música, chamou Baden Powell para compor com ele. Os dois se trancaram no apartamento do poetinha no Parque Guinle, em Laranjeiras e, após beberem caixas e mais caixas de uísque Haig, saíram de lá com 25 canções prontas – oito delas dariam forma ao que seria o disco Os afro-sambas, gravado em 1966 e distribuído pelo selo Forma, de Roberto Quartin.

A produção é um espetáculo. As canções não se limitam ao básico de voz e violão em matéria de arranjos, trazendo instrumentos percussivos como atabaques, bongôs, afoxés, agogôs e pandeiros. O maestro Guerra Peixe foi o responsável pelos arranjos e pela regência nas gravações, que contaram ainda com a luxuosa participação do grupo vocal feminino Quarteto em Cy – que, por sinal, continua existindo até hoje.

Os afro-sambas produziu um clássico instantâneo da MPB, “Canto de Ossanha”, de múltiplas regravações ao longo de quase 50 anos. Havia também os cantos de Xangô, Iemanjá e do Caboclo da Pedra-Preta, pontuando o disco, que tem também as maravilhosas “Tristeza e solidão” e “Tempo de amor”, esta última uma das mais bonitas canções da parceria Vinícius-Baden, que ainda nos ofertaria canções como “Samba em Prelúdio”, “Berimbau” e tantas outras que fizeram a delícia dos ouvintes e história na música popular brasileira.

Ficha técnica de Os afro-sambas
Selo: Forma/Companhia Brasileira de Discos
Gravado em 1966
Produzido por Roberto Quartin e Wadi Gebara
Tempo: 32’42”

Músicas:

1. Canto de Ossanha
2. Canto de Xangô
3. Bocoché
4. Canto de Iemanjá
5. Tempo de amor
6. Canto do Caboclo da Pedra-Preta
7. Tristeza e solidão
8. Lamento de Exu

Últimas da V8 Supercars

RIO DE JANEIRO – A temporada 2014 do International V8 Supercars começa exatamente nos primeiros dias de março com a Clipsal 500, nas ruas de Adelaide, na pista que recebeu a Fórmula 1 entre 1985 e 1995. E a menos de uma semana para o fim de 2013, os agitos para a próxima temporada não param. Vamos ver o que temos de novo nos últimos dias.

A DJR (Dick Johnson Racing) tem uma formação inteiramente nova. Com a saída de Chaz Mostert para a equipe oficial de fábrica da Ford, o time traz Scott Pye e David Wall para ocuparem os postos dos carros #16 e #17. Scott teve dois sérios acidentes na última temporada, em Symmons Plains e Darwin, deixando assim a equipe Lucas Dumbrell Motorsports. Wall era da Brad Jones Racing e leva consigo o patrocínio da Wilson Security.

A Erebus Motorsport revê seu programa no V8 Supercars para 2014: com o total de carros reduzido de três para dois, a ida de Tim Slade para a Walkinshaw Racing e a saída da James Rosenberg Racing como equipe Mercedes no certame, a equipe de Betty Klimenko e Ryan Maddison passou um bom tempo reunida em Stuttgart com a HWA, responsável pelo motorsport da marca, buscando soluções para melhorar o rendimento do E63 AMG usado no certame da Oceania. A Erebus também busca estreitar relações com a Mercedes-Benz após os bons desempenhos no GT Asia e nas 12h de Bathurst. O único piloto confirmado com a marca é Lee Holdsworth. Maro Engel não vai continuar no certame e deve ser substituído por Will Davison.

Filho do antigo piloto de Fórmula 1 Larry Perkins, Jack Perkins vai regressar à categoria em 2014. Ele ocupará o lugar de Alex Davison na escuderia de Charlie Schwerkolt com apoio oficial de fábrica da Ford, assim como acontecerá com Mark “Frosty” Winterbottom, o recém-chegado Chaz Mostert e David Reynolds, que fez boa temporada neste ano.

E quem pode se juntar futuramente ao campeonato como equipe oficial Ford é a Penske. As tratativas entre Roger Penske e os responsáveis pela categoria começaram na visita da categoria aos EUA, em Austin, e Tim Cindric acompanhou pessoalmente a última rodada no Parque Olímpico de Sydney, onde avançaram as conversas entre a escuderia e o chefão da categoria, James Warburton. Existe o interesse de uma associação entre a Penske e a equipe de Dick Johnson. A conferir…

Enquanto isso, começam os testes do novo Volvo S60. O construtor sueco se junta a Holden, Nissan, Ford e Erebus-Mercedes na competição em 2014 com dois carros em associação com a GRM – um deles já confirmado para a revelação Scott McLaughlin. A equipe será rebatizada como Volvo Polestar Racing e o desenvolvimento em túnel de vento da parte aerodinâmica do bólido começou na base da Real Força Aérea Australiana, no estado de Victoria. Greg Ritter foi o responsável pelos primeiros treinos aerodinâmicos, assistidos pelo engenheiro de pista Richard Holloway.

Confirmado na equipe Nissan Motorsport como um dos pilotos do Altima L33 para mais uma temporada, James Moffat terá um primeiro desafio bem interessante em 2014, antes do V8 Supercars. O piloto vai integrar a equipe Nissan GT Academy Team RJN durante a disputa das 24h de Dubai, nos dias 10 e 11 de janeiro, onde entre seus parceiros estarão Karun Chandhok e o tailandês Tor Graves. Já Craig Lowndes pretende seguir os passos do compatriota e rival Jason Bright para disputar em 2014 as 24 Horas de Le Mans. O experiente piloto conversa com pelo menos dois times com modelos Ferrari para competir na clássica prova francesa pela divisão LMGTE-AM. Lowndes disputará as 12h de Bathurst com Mika Salo, John Bowe e Peter Edwards pela Clearwater Racing, como preparação para Sarthe.

Por fim, a equipe D’Alberto Racing, do ítalo-australiano Alvano D’Alberto, não conseguiu realizar sua inscrição para 2014 dentro da data-limite imposta pelos organizadores – 1º de dezembro. A perda do patrocínio da Hiflex foi um rude golpe para o time onde o único piloto era Tony D’Alberto, filho do dono. Tony está em tratativas com a Tekno Autosport e a Brad Jones Racing, para conseguir uma vaga de titular para o próximo ano.

As equipes estão assim até o momento:

Triple Eight Race Engineering (Red Bull Racing)
Carro: Holden Commodore VF
Pilotos: Jamie Whincup (#1) e Craig Lowndes (#888)

Holden Racing Team (HRT)
Carro: Holden Commodore VF
Pilotos: Garth Tander (#2) e James Courtney (#22)

James Rosenberg Racing (HRT)
Carro: Holden Commodore VF
Piloto: Nick Percat (#47)

Walkinshaw Racing (HRT)
Carro: Holden Commodore VF
Piloto: Tim Slade (#66)

Erebus Motorsport
Carro: Mercedes-Benz C63 AMG
Piloto: Lee Holdsworth (#4)

Ford Performance Racing
Carro: Ford FG Falcon
Pilotos: Mark Winterbottom (#5) e Chaz Mostert (#6)

Charlie Schwerkolt Racing (FPR)
Carro: Ford FG Falcon
Piloto: Jack Perkins (#18)

Rod Nash Racing (FPR)
Carro: Ford FG Falcon
Piloto: David Reynolds (#55)

Nissan Motorsport
Carro: Nissan Altima L33
Pilotos: Todd Kelly (#7), Rick Kelly (#15), Michael Caruso (#36) e James Moffat (#360)

Dick Johnson Racing
Carro: Ford FG Falcon
Pilotos: Scott Pye (#16) e David Wall (#17)

Volvo Polestar Racing (GRM)
Carro: Volvo S60
Piloto: Scott McLaughlin (#33)

Tekno Autosports
Carro: Holden Commodore VF
Piloto: Shane Van Gisbergen (#97)

Ponto de ônibus (31)

dino1RIO DE JANEIRO – A foto acima mostra o primeiro protótipo do Ciferal Dinossauro construído pela encarroçadora com sede no Rio de Janeiro sob medida para a Viação Cometa, após a aposentadoria do lendário modelo GM Coach PD 4104 – que não tinha mais possibilidades de ter reposição de peças, por conta da extinção das importações para o mercado brasileiro. Lá por 1973, surgiu esse novo ônibus para atender às necessidades da empresa.

Como se sabe, o Ciferal Dinossauro definitivo tinha o “chapéu” dianteiro rebaixado, conferindo uma real aparência de ônibus americano ao modelo encomendado pela Cometa. E seria assim até 1999, ano em que os últimos Flecha Azul foram para as estradas – quando aí a produção dos ônibus cabia à própria Viação Cometa, sob o nome de CMA, montados em chassis e motores Scania instalados na parte traseira dos veículos.

A foto que ilustra este post é do Cid José Beraldo e foi encontrada no blog Revista AutoBus.

Galeria dos campeões de 2013 – Parte XI (Itália)

Alessio Rovera (Cram Motorsport Srl, F.Aci Csai Tatuus FA 010 FPT,#12)Alessio Rovera (Cram Motorsport) – Campionato Italiano Formula Abarth

31894_monza_incorona_campioni_postiglione_e_lucchiniLuigi Lucchini/Vito Postiglione (Ebimotors) – Porsche 911 (997) GT3-R Campionato Italiano Gran Turismo (GT3)

Bianco-Babini ( Porsche 997  GTCup #111)Riccardo Bianco/Fabio Babini (GDL Racing) – Porsche 911 (997) GT3 Cup Campionato Italiano Gran Turismo (Cup 1)

Vincenzo Donativi  (Antonelli Motorsport, Porsche 997-GTCup #204)Vincenzo Donativi – Porsche 911 (996) GT3 Cup Campionato Italiano Gran Turismo (Cup 2)

000508-da11Gianni Morbidelli (Audi Sport Italia) – Audi RS5 Superstars Series Italia

000502Thomas Schöffler (Audi MTM) – Audi R8 LMS GT Sprint Series

13_Superstars_TalkanitsaAliaksandr Talkanitsa/Aliaksandr Talkanitsa Jr. (AF Corse) – Ferrari F458 Italia GT Sprint Series (GTS2)

8330_goldstein-e-del-castello-subito-al-top-in-gt-sprintSteven Goldstein/Antonio De La Reina Marqués (Kessel Racing) – Ferrari F430 GT Sprint Series (GTS Cup)

30340_busnelli_e_moccia_dominano_le_qualifiche_di_imolaGiancarlo Busnelli (DTM Motorsport) – Seat León Campionato Italiano Turismo Endurance (Super Production)

porsche-911-carrera-cup-italia-2013--3-Enrico Fulgenzi (Heaven Motorsport) – Porsche Carrera Cup Italia

22482Leonardo Geraci – Peugeot RCZ Racing Cup Italy