Roar Before The Rolex 24: último dia tem Westbrook na frente

008_525722

RIO DE JANEIRO – Domingo de temperatura agradável na Flórida, superior a 20º C. E os pilotos e equipes do Tudor United SportsCar Championship tiveram o último dia de trabalho no Roar Before The Rolex 24, os treinos coletivos de inverno antes da realização das 24 Horas de Daytona, previstas para o fim deste mês.

E, a exemplo do que já acontecera na maioria das sessões, os protótipos Corvette DP foram superiores em relação aos outros concorrentes. Os carros da Action Express estiveram fortes durante todo o fim de semana, mas nos últimos dois treinos, quem deu as cartas foi a Spirit of Daytona. O carro #90 guiado por Richard Westbrook estabeleceu mais cedo o melhor tempo do dia em 1’39″748, apenas 0″114 melhor que o #10 da família Taylor e do italiano Max Angelelli.

No combinado das sessões, como era de se esperar, a Action Express ficou na frente, com a marca de 1’38″630, superior ao 1’38″898 da Spirit of Daytona e ao 1’38″980 obtido pelo #01 da Chip Ganassi Racing, que não treinou hoje.

O melhor LMP2, após os três dias de testes, foi o HPD ARX-03b #1 da Extreme Speed Motorsports. O bom trabalho de Scott Sharp/Ryan Dalziel/David Brabham colocou este carro com o 7º tempo geral, a pouco mais de um segundo do melhor tempo dos ensaios. Informações dão conta que estes carros, além de correrem com pneus Continental, comuns aos Daytona Prototypes – e bem menos aderentes que os Michelin da American Le Mans Series – estão “estrangulados” pelo BoP da IMSA e têm pelo menos 10 mph a menos de velocidade de ponta em reta, o que faz uma bela diferença em relação aos espartanos modelos usados na antiga Rolex Sports Car Series, que ganharam melhorias mecânicas, de freios e aerodinâmica.

Enfim, a diferença não é tão grande e pode ser que em circuitos menos travados que Daytona os LMP2 e também o DeltaWing se saiam melhor. Aliás, o estranho protótipo esteve longe de ser um escárnio nos testes. A equipe fez um bom trabalho e o carro guiado por Alexander Rossi, Katherine Legge e Andy Meyrick andou com constância e quase sem nenhum problema ao longo dos treinos, ficando com o 12º tempo a quase dois segundos da melhor marca. Nada mal…

Quem não tem motivos pra sorrir é a SpeedSource. O motor Skyactiv-D continua pouco competitivo e, mesmo com dois carros de apelo visual belíssimo, a escuderia de Sylvain Tremblay tem um longo caminho a percorrer. Os carros foram muito lentos, ficando na cauda do pelotão o tempo inteiro. Para piorar, o melhor tempo do protótipo #70 foi mais de 10 segundos mais lento que o Corvette DP da Action Express Racing, levando ferro até de vários carros da classe GTD. Tá feia a coisa…

a_525580

Entre os Oreca FLM09 da divisão Prototype Challenge, onde quatro brasileiros – Raphael Matos, Júlio Campos, Gabriel Casagrande e Bia Figueiredo – treinaram, o melhor tempo após os três dias de testes coube ao carro #8 da Starworks Motorsport, guiado pelo piloto da GP2 Series Sam Bird, que marcou 1’42″010, na terceira sessão, disputada no sábado. O tempo do britânico foi quatro décimos melhor que o #54 da CORE Autosport e meio segundo abaixo do #25 da 8Star Motorsports.

Com a marca de 1’43″324, o carro #38 de Matos, Campos e Casagrande completou o Roar Before The Rolex 24 com a quinta melhor marca. Para os dois recém-chegados a Daytona (no caso Campos e Casagrande), foi importante participar dos testes para se familiarizarem com a pista e com o protótipo que guiarão nas 24 Horas. O carro onde Bia Figueiredo foi inscrita, o #7 da Starworks, só fez seu melhor tempo hoje – 1’44″285 – na última sessão.

A Porsche riu por último nos testes entre os carros da divisão GTLM, embora a grande vedete dos testes tenha sido o novo Corvette C7-R, que saiu competitivo da oficina Pratt & Miller. O “trovão”, ainda sem pintura definitiva, liderou vários treinos e os dois carros ficaram em segundo e terceiro, com tempos na casa de 1’45” alto. O Porsche #911 ficou com 1’45″564, tempo obtido na sexta-feira, no dia mais frio dos testes.

Com dez carros inscritos, a GTLM foi um show de competitividade, marca registrada da classe que vem a reboque do regulamento ACO/FIA usado na extinta American Le Mans Series. Seis desses carros ficaram dentro do mesmo segundo do tempo do Porsche líder e os dez foram separados por pouco mais de dois segundos. Amazing!

E no confronto entre os modelos alemães na numerosa divisão GTD, a Audi acabou à frente da Porsche. O #45 da Flying Lizard Motorsports, com o bom trabalho dos pilotos Spencer Pumpelly/Nelson Canache/Tim Pappas/Markus Winkelhock, estabeleceu o melhor tempo em 1’47″981, na sexta-feira. O carro da marca dos quatro anéis de Ingolstadt foi pouco mais de dois décimos superior ao #58 de Madison Snow/Jan Heylen/Marco Seefried, que surpreendeu com o segundo tempo ao fim dos ensaios.

A Park Place foi outra surpresa: graças ao austríaco Norbert Siedler, conseguiram o 3º melhor tempo da classe, antecedendo o #22 da Alex Job Racing e o #28 da Dempsey Racing, que fez uma parceria bastante frutuosa com a Konrad Motorsport.

Entre os outros construtores, a melhor Ferrari foi a #556 da Level 5 Motorsports, com o sétimo tempo no agregado. O único SRT Viper GT3-R, da Riley Motorsports, fez muita quilometragem, mas só ficou com o 21º lugar do grupo. Um pouco melhor, por exemplo, que o Aston Martin V12 Vantage da TRG e menos ruim que a BMW Z4 GT3 da Turner Motorsport, outra escuderia com imenso caminho a percorrer. Mesmo com o concurso do brasileiro Augusto Farfus nos testes, o time de Will Turner não terá vida fácil na primeira etapa do campeonato. O melhor tempo do #94 – 1’49″249 – só veio após muito esforço, na oitava e última sessão das atividades, justamente neste domingo.

No total, 62 veículos marcaram tempo. Quatro carros da Prototype Challenge não apareceram – os dois da RSR Racing e os dois da Level 5 Motorsports. Mas todos eles devem competir nas 24 Horas. Num destes carros estará o brasileiro Bruno Junqueira. Outro carro que não andou foi a Ferrari #65 da Scuderia Corsa, que será alinhada para Chico Longo/Daniel Serra/Xandinho Negrão/Marcos Gomes. Nos treinos do Roar Before The Rolex 24, o melhor carro do time, aliás, ficou em 24º na classe.

Os tempos do sétimo treino estão aqui e do oitavo, aqui. O resultado combinado do Roar Before The Rolex 24 está aqui.

Anúncios

14 respostas em “Roar Before The Rolex 24: último dia tem Westbrook na frente

  1. Pelas notícias que li, em relação aos primeiros testes realizados ainda ano passado, os LMP2 já perderam o lastro que deveriam usar, além de já terem sido feitas mudanças no restritor. Ainda não foi suficiente, mas já houve grande melhora. Acredito que, com mais uma mexida aqui e ali, não apenas nos LMP2, mas tbm nos DPs, consigam achar o equilíbrio que desejam e que seria saudável para a série.

  2. Acho que a IMSA ficou satisfeita com a equiparação e eu particularmente também fiquei! O Caminho é esse mesmo, ainda que eu ache que deveriam ser categorias separadas!

  3. Eu continuo achando a diferença grande e explico porque. Em tempo eu aceitaria até no máximo 0.5s e os carros da P2 não tem a mesma aceleração que os da DP, mesmo já tendo sido feitas alterações desde o ano passado na ALMS ainda para eles terem mais retomada em curva do que os PC. São carros que sabidamente não tem tanto torque. No vídeo do Brabham você que ele fica se matando atrás dos PC em reta. Não estou preocupado com o tempo, estou vendo a corrida. Enfim. Com certeza a OAK, Muscle Milk, Extreme Speed e Mazda vão reclamar e com razão na minha opinião. Em circuitos travados até podem ser mais rápidos porque aerodinâmicamente, os P2 são melhores, mas tem várias pistas de alta nos USA. Mas é a primeira corrida menos de 1s ainda está bom vamos ver como é que vai ser essa primeira etapa.

  4. A GTLM vai ser bem disputada esse ano. O Corvette C7.R, para a minha felicidade, já nasceu bom e os Porsches vem muito fortes, e os outros carros com certeza vão dar trabalho. A BMW é que ficou para trás nesse treino, mas não é de se surpreender né já que em pistas de alta em relação a tempo geralmente eles ficam pra trás porque não tem tanto motor assim, elas tem muita pressão aerodinâmica, mas o Rahal é ótimo estrategista. A GTD é que me surpreendeu. Os tempos ficaram poucos mais de 2s dos GTLM e em reta acho que eles vão andar todos juntos. E a batalha nessa primeira etapa deve ficar entre os Audi e os Porsche. A Ferrari pode incomodar, Aston, Viper e BMW precisam de kilometragem.

  5. esqueci de comentar que a a Ferrari bem que podia voltar e trazer junto outras grandes marcas como Mercedes e Maclaren, e quem sabe não apareça um P1 construído pelo Adrian e Red Bull

  6. Acho difícil, a Fórmula 1 é um rio de dinheiro sem fim, sinceramente eu acho que eles não precisam do WEC. É uma pena.

  7. Concordo com o Geraldo em número, gênero e grau… mais uma mexidinha e os DP’s e P2 vão ficar equiparados. Porém acho que nesse ano pouca coisa deve mudar, pois é tudo muito novo no USCR. Acredito que um regulamento definitivo com relação ao BoP deve sair para 2015. Esse ano de 2014 será um ano de testes, com erros e acertos.

  8. Também acho que irão encontrar um equilíbrio entre os DP’s, mais potentes e robustos e os LMP2, mais leves e modernos. Continuo achando que o pessoal que corre com os carros Ford EcoBoast está escondendo as garras…o carro parece muito veloz…os DP’s Corvettes que fiquem espertos.
    Estou empolgadíssimo também com as categorias GTE e GTD com o enorme grid e as disputas de sempre, geralmente melhores que as dos protótipos.
    Achei estranho no começo, mas boto fé neste novo campeonato.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s