Melhor do que o esperado

formula-one-racing-formula-1-auto-racing-formula-one-grand-prix-australia-f1-grand-prix_3101222

RIO DE JANEIRO – A Fórmula 1 insiste em nos surpreender. Confesso que eu esperava um treino sem graça, com um monte de quebras, chato toda vida. Mas felizmente virou tudo pelo avesso. A começar que choveu. E chovendo, a coisa fica bem mais interessante. Por isso o que se viu na madrugada deste sábado foi sensacional. Eu gostei demais da qualificação para o GP da Austrália, abertura do campeonato – embora ainda tenha restrições ao barulho dos motores na nova configuração V6 1,6 litro com turbocompressor.

O treino foi surpreendente e movimentado do início ao fim. Uma novidade foi a mudança de divisão de tempo entre as três fases qualificatórias: agora o Q1 tem 18 minutos e não vinte e o Q3, a Superpole, doze ao invés de 10 minutos. É estranho, mas funcionou para a maioria.

Não para a Lotus, o desastre completo deste fim de semana até aqui. O E22 mal andou: Pastor Maldonado não completou sequer uma volta e quando tentava fazer tempo, choveu. E deu pena do desespero e do desalento do Romain Grosjean, que ficou com a 21ª posição (20º depois da punição por troca de câmbio ao mexicano Estebán Gutiérrez).

Por sinal, o cucaracha da Sauber caiu fora logo no Q1 junto com a dupla da Lotus e o estreante Marcus Ericsson, da Caterham. A dupla da Marussia também ficou pelo caminho, com Max Chilton mais rápido que Jules Bianchi – coisa rara.

Aí, com a pista já molhada pela chuva, os 16 pilotos que avançaram para o Q2 montaram pneus intermediários em seus carros. E foi um tal de esterçar na saída de curva quando os pilotos davam gás em baixa rotação que era uma beleza de se ver. Esses novos motores têm muito torque e quando os pilotos aceleram no molhado, o risco de um erro é grande. Não à toa, Kimi Räikkönen bateu após uma rodada e ficou de fora da briga pela pole.

O finlandês não esteve sozinho em matéria de campeões do mundo fora do Q3. Para espanto geral, Sebastian Vettel, lutando contra o próprio carro, ficou apenas com o 13º tempo. Desempenho e resultado que levaram os torcedores australianos, sedentos de vingança por tudo o que o alemão fez com o compatriota deles, Mark Webber, no passado, ao delírio. A Red Bull contratou outro australiano – Daniel Ricciardo que, correndo em casa, deu tudo de si e levou o carro #3 para a disputa pela pole. Jenson Button, com a McLaren, também não avançou e ainda viu Kevin Magnussen, o melhor estreante do fim de semana, ter excelente desempenho.

Favorita nas circunstâncias de piso seco, a Mercedes-Benz passou a ser dúvida para a pole quando o asfalto ficou molhado pela chuva – que no começo do Q3 caiu ainda mais forte. Hamilton e Rosberg montaram os pneus com faixa azul, os full wets e a concorrência, os intermediários. Mesmo com os pneus com mais ranhuras, os pilotos da marca da estrela de três pontas foram para a briga. E Ricciardo foi junto.

4384220140315084248

Os três se revezaram, cronômetro já zerado, na pole position. Rosberg foi o primeiro. Ricciardo fez uma volta monstruosa e roubou a pole do alemão. Mas Lewis Hamilton frustrou todo mundo – menos a si próprio e a equipe – para conquistar sua 32ª pole position na carreira, igualando a marca do Leão Nigel Mansell.

Felipe Massa avançou ao Q3, mas o desempenho de sua Williams não correspondeu às expectativas. O brasileiro penou para superar o companheiro de equipe Valtteri Bottas e obteve o nono tempo. Um pouco frustrante, eu diria. Mas foi importante não começar perdendo no confronto interno com o colega e rival – assim como Vettel, Kimi e Button em relação aos respectivos companheiros de boxe. Bottas é outro que terá que largar cinco posições atrás, pela troca do câmbio de sua FW36, o que eleva Vettel à 12ª posição do grid.

Foi um treino ótimo. Tomara que a corrida seja assim. Preparem o café, o energético e a pipoca. O GP da Austrália, pelo visto, promete. E muito.

Eis o grid:

1. fila
Lewis Hamilton (Mercedes W05) – 1’44″231 – Q3
Daniel Ricciardo (Red Bull RB10-Renault) – 1’44″548 – Q3
2. fila
Nico Rosberg (Mercedes W05) – 1’44″595 – Q3
Kevin Magnussen (McLaren MP4/29-Mercedes) – 1’45″745 – Q3
3. fila
Fernando Alonso (Ferrari F14-T) – 1’45″819 – Q3
Jean-Eric Vergne (Toro Rosso STR9-Renault) – 1’45″864 – Q3
4. fila
Nico Hulkenberg (Force India VJM07-Mercedes) – 1’46″030 – Q3
Daniil Kvyat (Toro Rosso STR9-Renault) – 1’47″368 – Q3
5. fila
Felipe Massa (Williams FW36-Mercedes) – 1’48″079 – Q3
Jenson Button (McLaren MP4/29-Mercedes) – 1’44″437 – Q2
6. fila
Kimi Raikkonen (Ferrari F14-T) – 1’44″494 – Q2
Sebastian Vettel (Red Bull RB10-Renault) – 1’44″668 – Q2
7. fila
Adrian Sutil (Sauber C33-Ferrari) – 1’45″655 – Q2
Kamui Kobayashi (Caterham CT05-Renault) – 1’45″867 – Q2
8. fila
Valtteri Bottas (Williams FW36-Mercedes) – 1’48″147 – Q3 **
Sergio Perez (Force India VJM07-Mercedes) – 1’47″293 – Q2
9. fila
Max Chilton (Marussia MR03-Ferrari) – 1’34″293 – Q1
Jules Bianchi (Marussia MR03-Ferrari) – 1’34″794 – Q1
10. fila
Marcus Ericsson (Caterham CT05-Renault) – 1’35″157 – Q1
Romain Grosjean (Lotus E22-Renault) – 1’36″993 – Q1
11. fila
Pastor Maldonado (Lotus E22-Renault) – no time – Q1
Esteban Gutierrez (Sauber C33-Ferrari) – 1’35″117 – Q1 **

** penalizados com a perda de cinco posições por troca de câmbio

Anúncios

2 respostas em “Melhor do que o esperado

  1. O treino foi legal mesmo.
    E na hora do vamos ver, na minha opinião, os carros com motor Ferrari estao piores do que pareciam, e o Renault muito melhore. Tem duas Toro Rosso entre os 10!!
    E gostei de ver os estreantes mandando ver.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s