Hamilton e Mercedes: os alvos do momento

4403220140329111209

RIO DE JANEIRO – Como todo mundo sabe, nesta época do ano chove  –  e muito – na Malásia. São as chamadas monções tropicais, quase sempre com hora marcada. Bernie Ecclestone, teimoso como ele só, na busca de agradar a audiência europeia, coloca treino e corrida da 2ª etapa do Mundial de Fórmula 1 num horário não muito agradável – especialmente para o público sul-americano.

Resultado: choveu, como é de hábito. E o treino, com início às 5h de Brasília, teve o início adiado em 50 minutos. E haja paciência para aturar fofocas e outras bobagens.

O que vale a pena dizer é que, no seco ou no molhado, a Mercedes está à vontade. E Lewis Hamilton, mais ainda. O piloto britânico foi o melhor em todas as partes do treino classificatório e colocou seu bólido prateado na pole position. É a 33ª vez em que Lewis sai na frente numa corrida de Fórmula 1, o que o credencia a superar a marca do compatriota Nigel Mansell, que dividia com ele a primazia do britânico com o maior número de posições de honra na história. As 33 poles o deixam empatado com Jim Clark e Alain Prost e, na média, Hamilton fez uma pole a cada quatro corridas na carreira. Nada mal…

Apesar do aparente domínio dos carros do construtor alemão até agora neste fim de semana, a Red Bull pelo visto pôs as manguinhas de fora. O tetracampeão Sebastian Vettel, que parecia morto e enterrado – e muitos até queriam vê-lo assim – conseguiu um lugar na primeira fila, desbancando Rosberg e perdendo a pole por apenas 0″055. Desvantagem ínfima em relação a Hamilton, considerando que só os dois primeiros baixaram da casa de 2 minutos no Q3.

Fernando Alonso, apesar de um erro terrível dele e da equipe no Q2, quando o espanhol tocou na Toro Rosso do novato Daniil Kvyat, ainda conseguiu um brilhante quarto lugar. A bandeira amarela que se seguiu ao contato entre o piloto da Ferrari e o jovem russo foi de colher para que os mecânicos consertassem um braço de suspensão da F14-T em tempo recorde. E o piloto compensou com um belo resultado na pista, duas posições à frente de Kimi Räikkönen.

Bacana ver Nico Hülkenberg mais uma vez no Q3 com a Force India. O alemão segue como um dos bons valores da categoria e fez o 7º tempo, classificando-se com enorme tranquilidade à frente do companheiro de equipe Sergio Pérez. Também Jean-Eric Vergne foi bem e obteve a nona posição com seu Toro Rosso.

As decepções do treino foram McLaren e Williams, com erros de avaliação no uso dos pneus para as condições de pista molhada em Sepang. A McLaren errou nas duas fases decisivas da qualificação e foi por pouco que seus dois pilotos não avançaram ao Q3. Na briga pela Superpole, Kevin Magnussen esteve longe do brilhantismo do treino do GP da Austrália e Button, insistindo com pneus intermediários num piso muito molhado, só poderia terminar onde terminou: em décimo.

Já a Williams deitou por terra qualquer possibilidade de Felipe Massa e Valtteri Bottas em obter um bom resultado. Some-se a isso o agravante da chuva não favorecer o FW36, que é um carro “traseiro” e com enorme tendência a não conseguir uma boa performance em piso molhado. Por mais que os pilotos se esforçassem, não deu para conseguir uma sequência de voltas que garantisse ambos no Q3. A opção por pneus intermediários revelou-se um erro. Massa ficou apenas com a 13ª posição e Bottas foi o décimo-quinto. Depois, o finlandês acabou penalizado pelos comissários por bloquear a volta rápida de Daniel Ricciardo. Valtteri perdeu três posições no grid e larga em décimo-oitavo.

De resto, o treino mostrou também que a Sauber permanece na zona da marola e a Lotus, embora ainda tecnicamente bem desorganizada, evoluiu alguma coisa. Tanto que Romain Grosjean avançou para o Q2 e o carro de Maldonado pelo menos saiu do lugar, com o venezuelano ficando em 18º após o Q1, no qual também ficaram fora – como sempre  – os dois pilotos da Marussia e os dois da Caterham, com Jules Bianchi e Kamui Kobayashi não encontrando nenhum problema para superar seus companheiros de equipe.

Extra-oficialmente, o grid de largada do GP da Malásia é este:

1. fila
Lewis Hamilton (Mercedes W05) – 1’59″431 – Q3
Sebastian Vettel (Red Bull RB10-Renault) – 1’59″486 – Q3
2. fila
Nico Rosberg (Mercedes W05) – 2’00″050 – Q3
Fernando Alonso (Ferrari F14-T) – 2’00″175 – Q3
3. fila
Daniel Ricciardo (Red Bull RB10-Renault) – 2’00″541 – Q3
Kimi Raikkonen (Ferrari F14-T) – 2’01″218 – Q3
4. fila
Nico Hulkenberg (Force India VJM07-Mercedes) – 2’01″712 – Q3
Kevin Magnussen (McLaren MP4/29-Mercedes) – 2’02″213 – Q3
5. fila
Jean-Eric Vergne (Toro Rosso STR9-Renault) – 2’03″078 – Q3
Jenson Button (McLaren MP4/29-Mercedes) – 2’04″053 – Q3
6. fila
Daniil Kvyat (Toro Rosso STR9-Renault) – 2’02″351 – Q2
Esteban Gutierrez (Sauber C33-Ferrari) – 2’02″369 – Q2
7. fila
Felipe Massa (Williams FW36-Mercedes) – 2’02″460 – Q2
Sergio Perez (Force India VJM07-Mercedes) – 2’02″511 – Q2
8. fila
Romain Grosjean (Lotus E22-Renault) – 2’02″885 – Q2
Pastor Maldonado (Lotus E22-Renault) – 2’02″074 – Q1
9. fila
Adrian Sutil (Sauber C33-Ferrari) – 2’02″131 – Q1
Valtteri Bottas (Williams FW36-Mercedes) – 2’02″756 – Q2 (*)
10. fila
Jules Bianchi (Marussia MR03-Ferrari) – 2’02″702 – Q1
Kamui Kobayashi (Caterham CT05-Renault) – 2’03″595 – Q1
11. fila
Max Chilton (Marussia MR03-Ferrari) – 2’04″388 – Q1
Marcus Ericsson (Caterham CT05-Renault) – 2’04″407 – Q1

(*) punido com perda de três posições por bloquear Ricciardo

Anúncios

3 respostas em “Hamilton e Mercedes: os alvos do momento

  1. Bernie é uma babaca. Não sabe o que faz. A Mercedes continua forte, a Red Bull mostra evolução mas tem que mostrar é confiabilidade e a Williams construiu um carro pra andar no seco e pra completar o Felipe é o “muito bom” de chuva. A McLaren segue fazendo besteira, pilotos promissores continuam fazendo um bonito quando dá, o Raikkonen “não está nem aí” e o Alonso e a Ferrari continuam desesperados porque não têm um carro pra brigar.

    • “Bom de chuva “só para os que ficaram acéfalos pela verborragia de Gagalvão Globueno,pois só houve um piloto brasileiro que realmente era bom na chuva,os demais eram iguais a tantos outros e o Massacrado de todos é o de piores resultados em piso molhado querendo ou não o narrador da rede platinada.(dos que pilotaram por top times,logicamente.)

      • É aquela criatura insiste em colocar rótulos que não são reais. Aliás ele continua falando besteira.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s