Sinal de alerta

4427020140415085247

RIO DE JANEIRO – A crise recorrente envolvendo Rússia e Ucrânia pela posse da Crimeia pode trazer sérias consequências para o investimento de um grupo russo no automobilismo. Informa o piloto e diretor esportivo da SMP Racing Sergey Zlobin que as contas bancárias do time estão bloqueadas.

A SMP Racing é do banqueiro Boris Rotemberg, cuja fortuna, avaliada em US$ 1,7 bilhão pela Forbes o deixa entre as principais pessoas físicas mais ricas do mundo. Além do investimento no esporte a motor, uma paixão do argentário – que é inclusive amigo pessoal do presidente russo Vladimir Putin, Rotemberg tornou-se o acionista majoritário do Dynamo Moscou, tradicional clube de futebol de seu país. A SMP Racing surgiu há dois anos e vem conquistando espaço nas provas de Endurance – tanto que dois carros com as cores vermelha, azul e branca estão inscritos e prontos para a disputa das 6 Horas de Silverstone na abertura do WEC, no próximo domingo. Isso sem contar quatro Ferrari F458 Italia, três na LMGTC e uma na LMGTE, para a temporada do European Le Mans Series.

Por conta do bloqueio das contas internacionais dos russos, imposto pela União Europeia e pelo governo de Barack Obama como uma forma nada sutil de pressão pelo fim da ação militar da Rússia em território ucraniano – e que pode acabar numa guerra civil, um promissor programa de motorsport pode ir por água abaixo, sem mais nem menos.

A área de ação de Rotemberg no esporte contempla inclusive a Fórmula Indy. A SMP Racing estampa suas cores num dos carros do time de Sam Schmidt, conduzido por Mikhail Aleshin. Também são eles quem pagam as contas de Sergey Sirotkin como piloto reserva e de testes da Sauber, além da participação do jovem piloto na World Series by Renault.

Mas há ainda que se pagar fornecedores, funcionários e o aluguel das garagens nas quais estão os carros do WEC e ELMS. A AF Corse é um exemplo de credora da SMP Racing e se falhar o pagamento, os protótipos Oreca 03 Nissan LMP2 poderão não ser mais vistos nas pistas em breve.

Dentro do prisma atual, é bem difícil que o esporte seja usado como massa de manobra para que uma situação grave como esta seja solucionada. É algo que vai além da esfera automobilística. Envolve ego e poder. Mas pode custar caro, muito caro.

Os aficionados esperam por uma resolução rápida e pacífica desta crise. Caso contrário, a debandada da SMP Racing será terrível para o desenvolvimento do automobilismo russo, para os empregados do time e também para os pilotos – quer sejam daquele país ou os estrangeiros que foram contratados para 2014.

Bruni, Vilander e Rigon estarão com AF Corse no WEC

BfcbDIcIcAAUUhs.jpg_large

RIO DE JANEIRO – Encerrado o prazo de inscrição para o Campeonato Mundial de Endurance (WEC), começam a surgir alguns nomes que serão com certeza anunciados no próximo dia 13. A AF Corse, por exemplo, fechou pelo menos uma dupla na classe LMGTE-PRO, das duas que terá em 2014.

Com a debandada de Kamui Kobayashi para a Fórmula 1 e Giancarlo Fisichella conduzido para o Tudor United SportsCar Championship, Amato Ferrari precisou se socorrer de um remanejamento em sua equipe principal. Gianmaria Bruni permanece no carro #51 do time, mas seu novo parceiro será o finlandês Toni Vilander, que corria no #71 ao lado de Kobayashi.

A única novidade, por enquanto, é a confirmação de Davide Rigon na LMGTE-PRO. O italiano vai liderar o carro #71 ao lado de um piloto ainda não informado. A AF Corse vem com um esquema maior que o de 2014: serão cinco carros – três na classe LMGTE-AM, incluindo o da 8Star Motorsports e dois na LMGTE-PRO. Os italianos farão também o trabalho de assistência à escuderia russa SMP Racing, que estreia neste ano na classe LMP2.

Invasão russa a caminho no WEC

SMP-Oreca

RIO DE JANEIRO – País-sede de uma corrida do Mundial de Fórmula 1 pela primeira vez neste ano, a Rússia invade o Campeonato Mundial de Endurance (WEC) também em 2014. Tendo participado de três quintos da última temporada do European Le Mans Series (ELMS) com um Oreca 03 de motor Nissan, a SMP Racing vai participar de toda a temporada do certame mundial na classe LMP2.

E não apenas com um único protótipo desta subclasse, mas com dois, aumentando a estrutura e provavelmente o já competitivo grid desta categoria. Quem vai prestar a assessoria técnica para a esquadra russa é a AF Corse, que nos últimos dois anos trabalhou para a Pecom Racing, que não volta ao WEC em 2014.

Um dos carros será guiado por Sergey Zlobin e Maurizio Mediani, já entrosados com as corridas de que tomaram parte no ELMS. Eles terão a companhia de um terceiro piloto, provavelmente um nome bastante experiente na modalidade. O segundo carro será 100% de pilotos russos, com os irmãos Anton e Kyrill Ladygin ao lado de Viktor Shaitar.

A equipe estará presente nas 24 Horas de Daytona neste fim de semana com uma Ferrari F458 Italia da classe GTD em parceria com a Extreme Speed Motorsports. O time deve correr no ELMS nas duas categorias de Grã-Turismo: na LMGTE com um carro e na LMGTC com pelo menos dois – tudo Ferrari, logicamente.

Vitória de Hartley/Hirschi e título da Alpine e de Ragues/Panciatici no ELMS

RIO DE JANEIRO – Numa corrida bastante disputada ao longo das 3 horas de duração, especialmente na hora e meia final, a Murphy Prototypes conquistou enfim sua primeira vitória em corridas de Endurance. Graças ao bom trabalho de Jonathan Hirschi e especialmente de Brendon Hartley, o carro #18 cruzou à frente num total de 93 voltas no circuito francês de Paul Ricard, local da última etapa da temporada do ELMS.

MOTORSPORT : EUROPEAN LE MANS SERIES ELMS 3 HOURS OF PAUL RICARD 09/27-28/2013

E quem riu por último foram os franceses Pierre Ragues/Nelson Panciatici, que após a perda de uma roda do Oreca #1 da Thiriet by TDS Racing, que fez o carro de Pierre Thiriet/Mathias Beche perder sete voltas, acabaram fazendo o resultado suficiente para conquistar o título entre os pilotos. Com o 4º lugar, acabaram perfazendo 85 pontos e derrotaram Thiriet, vice com 77 após o oitavo posto obtido pelo antigo campeão da LMP2. O resultado garante a escuderia de Philippe Sinault e a lendária marca fundada por Jean Rèdelè uma vaga direta nas 24h de Le Mans na segunda divisão de protótipos.

O pódio teve ainda Natacha Gachnang/Christian Klien em segundo, numa excelente performance da dupla da Morand Racing, onde Gachnang roubou do Zytek da dupla pole position Oliver Turvey/Simon Dolan a possibilidade do vice-campeonato. O carro #38 do Team Jota Sport dominou a primeira parte da prova com Turvey a bordo e Dolan, que assumiu o comando ainda em primeiro, não soube segurar a dianteira, sendo superado primeiro por Hartley e depois por Gachnang.

Na divisão LMPC, mesmo com o 22º lugar geral, a dupla formada por Paul-Loup Chatin/Gary Hirsch conseguiu levar o título da divisão entre os pilotos, a despeito dos problemas enfrentados ao longo da disputa. Anthony Pons/Soheil Ayari cruzaram na frente, insuficiente porém para reverter o que era praticamente irreversível. Restou aos franceses do #48 o consolo de terminar a corrida em 8º lugar na geral. O Team Endurance Challenge – leia-se Oreca – levou também a vaga automática para Le Mans 2014.

O inglês Johnny Mowlem e o irlandês Matt Griffin confirmaram o título na divisão LMGTE entre os pilotos e a RAM Racing foi campeã entre as escuderias, com uma vitória enfática na divisão que lhes deu o 9º lugar na classificação geral da prova. O principal rival da dupla, o alemão Christian Ried, acabou em terceiro no grupo, ajudado pelos parceiros Klaus Bachler e Nick Tandy. Com o único carro montado com pneus Dunlop na divisão, Joël Camathias/Andrea Bertolini ficaram com o segundo posto no pódio. Com o triunfo e o título, o time de Dan Shufflebottom que já esteve na Fórmula 1 ganhou o acesso imediato para Le Mans 2014 na classe LMGTE-PRO.

A escuderia russa SMP Racing levou a melhor na LMGTC, graças ao seu trio formado por Fabio Babini, Viktor Shaitar e Kyrill Ladygin, que venceram a corrida e também confirmaram a liderança e o título, que oferta a eles uma vaga direta nas 24h de Le Mans na classe LMGTE-AM em 2014. A Ferrari dos rivais Stefano Gai/Andrea Rizzoli/Lorenzo Casé não terminou a disputa, nocauteada por problemas mecânicos. Isto posto, chegou em segundo a tripulação de outro carro do time dos conterrâneos de Lenin, guiado por Devi Markozov/Aleksandr Frolov/Luca Persiani, enquanto Cédric Mezard/Steeve Hiesse levaram o último lugar do pódio para a Scuderia Villorba Corse em sua estreia na divisão.

Veja a classificação final do campeonato:

LMP2

1. Nelson Panciatici/Pierre Ragues – 85 pontos
2. Pierre Thiriet – 77
3. Simon Dolan/Oliver Turvey – 71
4. Jonathan Hirschi – 69
5. Brendon Hartley – 64
6. Mathias Beche – 62
7. Natacha Gachnang – 58
8. Michel Frey – 46
9. Patric Niederhauser – 40
10. Franck Mailleux – 30
11. Maurizio Mediani/Sergey Zlobin e Christian Klien – 28
13. Alex Kapadia e Bastien Briére/John Hartshorne/Thomas Dagoneau – 16
15. Mark Patterson – 14
16. David Heinemeier-Hänsson/Tom Kimber Smith e James Swift/Renaud Kuppens – 10
18. Olivier Porta/Romain Brandela/Stéphane Raffin – 8
19. Marcello Marateotto – 6
20. Tony Burgess – 4

LMPC

1. Paul-Loup Chatin/Gary Hirsch – 115 pontos
2. Anthony Pons/Soheil Ayari – 98
3. Alex Loan – 33
4. Nico Verdonck – 18
5. Nicky Catsburg/C.O. Jones – 16
6. Matthieu Lecuyer – 15

LMGTE

1. Johnny Mowlem/Matt Griffin – 114
2. Christian Ried – 80
3. Nick Tandy – 70
4. Gunnar Jeannette/Frankie Montecalvo e Federico Leo/Marco Cioci/Piergiuseppe Perazzini – 63
6. Andrea Bertolini/Joël Camathias – 61
7. Klaus Bachler – 48
8. Gianluca Roda e Emmanuel Collard/François Perrodo – 40
10. Patrice Milesi – 38
11. Jean-Karl Vernay – 22
12. Howard Blank/Jean-Marc Bachellier/Yannick Mallegol – 16
13. Paolo Ruberti e Sébastien Crubillé – 10
15. Horst Felbermayr Jr., Patrick Long e Wolf Henzler – 8

LMGTC

1. Fabio Babini/Viktor Shaitar/Kyrill Ladygin – 100
2. Andrea Rizzoli/Stefano Gai/Lorenzo Casé – 76
3. Andrew Smith/Ollie Milroy – 67
4. Aleksandr Frolov/Devi Markozov – 57
5. Luca Persiani – 47
6. Alasdair McCaig – 40
7. Boris Rotenberg – 23
8. Dylan Derdaele/Kuba Giermaziak/Raffi Bäder – 16
9. Joe Twyman e Steeve Hiesse/Cédric Mezard – 15
11. Nico Pronk/Peter Kox – 13
12. Diego Romanini/Fabio Mancini/Tommaso Rocca e Phil Quaife – 12
14. Mika Salo/Anton Ladygin – 11
15. Youri Evgstineev – 10
16. Matthieu Lecuyer/Dimitri Enjalbert/Thomas Accary – 8