Retrô

2014581621686_temp_Penske_Castroneves_IIRIO DE JANEIRO – E aí está a pintura retrô do carro #3 de Hélio Castroneves para a disputa das 500 Milhas de Indianápolis pelo Team Penske. Além do piloto brasileiro, somente Johnny Rutherford e Rick Mears guiaram – e venceram – com esta pintura no mítico oval de 2,5 milhas em toda a história. Lembrei que Al Unser venceu também com um carro amarelo em 1987, mas o patrocínio era Holset/Cummins.

Eu achei sensacional essa ideia e, se vocês prestarem atenção, o capacete que está ali em cima do defletor lateral também remete ao “casco” de Rick Mears, o Rei dos Ovais.

Anúncios

Vídeos históricos – Bobby Unser vence a Indy 500 (1981)

RIO DE JANEIRO – O vídeo acima é uma dupla homenagem aos dois aniversariantes deste dia 20 de fevereiro. Duas lendas do automobilismo estadunidense têm o que comemorar: Robert “Bobby” Unser completa 80 anos. E Roger Penske, um dos maiores chefes de equipe da história, chega a 77 “primaveras”.

Os dois têm alguns fatos em comum. Os dois correram pelo menos um Grande Prêmio de Fórmula 1. Penske, que nunca foi grande coisa como piloto, apareceu em duas edições da corrida disputada em seu país, ambas em Watkins Glen. Foi 8º colocado em 1961 a bordo de um Cooper T53 Climax e nono em 1962, quando dispôs de um Lotus 24 Climax.

Bobby Unser fez uma aparição: guiou um BRM P138 no GP dos EUA em 1968. Largou em 19º e abandonou com quebra de motor. Como a Fórmula 1 nunca foi o forte dos dois, tanto Penske quanto Unser se destacaram mesmo nas provas da USAC, especialmente nas 500 Milhas de Indianápolis.

Não é para menos: o Team Penske tem 15 vitórias no mítico oval de 2,5 milhas, a primeira em 1972, com Mark Donohue. Bobby Unser foi participante regular da clássica prova a partir de 1963 e a venceu três vezes: em 1968, 1975 e 1981.

Nesta última oportunidade, na qual o piloto disputou sua última Indy 500, Bobby guiava um Penske PC9B Cosworth do Team Penske. Os dois, que já haviam juntado forças a partir de 1979, ganharam juntos a prova pela terceira vez. Vale lembrar que Bobby não era nenhum garotinho: tinha 47 anos quando comemorou a conquista.

E foi uma corrida bastante polêmica, pois o 2º colocado, Mario Andretti – que largou inclusive da última fila com o carro #40 da equipe de U.E. “Pat” Patrick, fez um protesto formal à direção de prova contra Bobby Unser, que teria feito ultrapassagens sob bandeira amarela na volta 149 de um total de 200 da corrida. O protesto foi primeiramente acolhido após a análise do tape da corrida e Unser trocou de posição com Andretti, que chegou a ser declarado o vencedor da prova – o que teria acontecido pela segunda vez na carreira do velho Mario. Mas o Team Penske fez novo protesto e o resultado da pista foi mantido.

Dizem que, revoltado com a perda da vitória, Mario Andretti atirou o anel de vencedor da Indy 500 num rio. Mas pode ser só lenda…

Que grid!

1484775_10202603081703277_1860183860_nRIO DE JANEIRO – Dica preciosa do amigo Fred Sabino, mangueirense de quatro costados. Aí estão os carros de todos os triunfos da Penske Racing nas 500 Milhas de Indianápolis. Vamos identificá-los (da direita para a esquerda)?

1ª fila: #66 McLaren Offenhauser de Mark Donohue (1972); #9 Penske Cosworth de Rick Mears (1979); #3 Penske Cosworth de Bobby Unser (1981)

2ª fila: #5 March Cosworth de Rick Mears (1984); #5 March Cosworth de Danny Sullivan (1985); #25 March Cosworth de Al Unser (1987)

3ª fila: #4 Penske Chevrolet de Rick Mears (1988); #4 Penske Chevrolet de Rick Mears (1991); #4 Penske Chevrolet de Emerson Fittipaldi (1993)

4ª fila: #31 Penske Mercedes-Benz de Al Unser Jr. (1994); #68 Dallara Oldsmobile de Hélio Castroneves (2001); #3 Dallara Chevrolet de Hélio Castroneves (2002)

5ª fila: #6 Panoz Toyota de Gil De Ferran (2003); #6 Dallara Honda de Sam Hornish Jr. (2006); #3 Dallara Honda de Hélio Castroneves (2009)

Reparem que do carro do triunfo de Mears até o último, da terceira conquista de Helinho em Indianápolis, todos os carros do Team Penske tem a programação visual Marlboro, embora a marca de cigarros não pudesse ter seu nome exposto na carenagem dos carros em virtude da restrição à propaganda tabaqueira não só nos EUA como também mundialmente.

 

Farda nova

1457718_10152022437880211_1230718287_nRIO DE JANEIRO – O ano de 2014 começou cedo para Juan Pablo Montoya. O novo contratado da Penske para a próxima temporada da Fórmula Indy fez hoje no circuito misto de Sebring o primeiro reconhecimento do chassi Dallara DW12 com que irá disputar a série estadunidense de monopostos pelo Team Penske, após quase sete anos na Nascar. O colombiano completou 20 voltas no primeiro contato com a nova máquina, enquanto Will Power, que também andou hoje pela manhã, deu uma dezena de voltas após fazer o shakedown do bólido.

E aí está Montoya na foto, envergando o macacão da nova escuderia. Para o primeiro teste, ele coube não só na farda nova como também no carro.

Será que veremos “Montoyucho” mais magro e acelerando como nos velhos tempos da própria Fórmula Indy e nos seus primeiros anos de Fórmula 1? Sabe-se que ele está empenhado a perder peso, se dedicando a muitos treinos físicos. Só há um jeito de saber se JPM vai manter a forma: conferindo nas redes sociais se ele frequentará as filiais da churrascaria Fogo de Chão da mesma forma como fazia nos tempos de Nascar.