Ponto de ônibus (40)

praadabandeira1976

RIO DE JANEIRO – Praça da Bandeira, 1976. Foto da coleção do Marcelo Almirante e aí está, em primeiro plano, o modelo Ciferal Urbano com o número de ordem #80507 da Transportes Choupal, que tinha a concessão da linha 455 (Méier-Copacabana). Essa linha, com o fim da Choupal, passou para a Verdun – que até hoje opera a linha dentro do “Consórcio Internorte” que a prefeitura de Eduardo Paes criou em circunstâncias estranhíssimas.

Atrás do “busão” da Choupal, podemos divisar o modelo monobloco da Mercedes-Benz, o O-362 da Rodoviária A. Matias com a pintura “Doriana” em seu coletivo, da linha 606 (Rodoviária-Engenho de Dentro). Já o 237, também com destino à Rodoviária Novo Rio, não consegui saber a que empresa pertencia. Peço, então, socorro aos busólogos de plantão.

Ponto de ônibus (39)

unida-antigo-327-ex-cometa-jumbo-1970-ciferal-scaniaRIO DE JANEIRO – Renovação de frota de ônibus, principalmente em empresas que operam em linhas intermunicipais ou interestaduais não é novidade. Quando a empresa em questão é a Cometa, sempre se soube que os carros são trocados depois de um período de uso e outros são passados adiante ou vendidos. Quando viajei para São Paulo no fim do ano passado, vi vários da frota da referida empresa encostados para venda – muitos, inclusive, em bom estado.

O modelo da foto acima é um deles: trata-se de um Ciferal Turbo Jumbo produzido em 1970 com chassi e mecânica Scania BR-115, vendido pela Cometa para a Empresa Unida Mansur e Filhos Ltda., fundada em 1949 e que até hoje opera em linhas interligando Juiz de Fora, Belo Horizonte e Rio de Janeiro a diversas cidades do interior de Minas Gerais, especialmente da região da Zona da Mata. A empresa hoje conta com uma frota de 120 ônibus do tipo convencional ou executivo.

O antigo carro #527 foi fotografado em Juiz de Fora, nos anos 70. A foto que ilustra este post foi retirada do blog Ponto de Ônibus.

Ponto de ônibus (38)

5837_464939530226191_1123495188_nRIO DE JANEIRO – Poderia bem ser um flagrante do trânsito do Rio de Janeiro em 2014, mas é claro que não é. Pelos carros e ônibus do instantâneo, viajamos no tempo e estamos há meio século atrás, no meio de um engarrafamento. Vale a pena prestar atenção nos coletivos e suas linhas. Em primeiro plano, a 472 (Triagem-Leme) – que está na ativa até hoje e mais atrás o 455 (Méier-Copacabana).

Também consegui divisar um ônibus da linha 176 (Estrada de Ferro-Gávea) e entre os outros coletivos cujas linhas não tive como saber identificar, há um escuro e inconfundível: o famoso Camões encarroçado pela Grassi e que ainda rodava pela Auto Viação Tarumã. Esse modelo era de 1947 – ou seja, havia 17 anos que estava em atividade nas ruas cariocas.

Ponto de ônibus (37)

foto-726235RIO DE JANEIRO – Foto tão rara quanto histórica do interior da Rodoviária Novo Rio, em 1971. Construída seis anos antes pelo então governador Carlos Lacerda, substituiu o antigo Terminal Mariano Procópio, localizado na Praça Mauá. Porém, há quem diga que num futuro próximo o embarque e desembarque dos ônibus do Rio para outros municípios, estados e países será transferido para o Irajá, num terminal mais moderno. É esperar pra ver…

No instantâneo, quatro modelos diferentes de ônibus se sobressaem. Em primeiro plano, dois carros da Viação Cometa. O de trás é um Ciferal Turbo Jumbo e o da frente é também um Ciferal, mas o Flecha de Prata.

Na plataforma seguinte, vemos o famoso Caio Gaivota da linha Rio-São Paulo da Única e um dos primeiros modelos Nielson Diplomata encarroçados para o Expresso Brasileiro, que também fazia a rota Rio-São Paulo. Parcialmente encoberto pelo coletivo da Expresso Brasileiro, está um dos ônibus Mercedes-Benz monobloco da Viação Itapemirim.

Detalhe para três dos outdoors ao fundo, com propagandas dos cigarros LS (que fim deu?) e Hollywood, além dos aparelhos eletrônicos Telefunken.

Ponto de ônibus (36)

CDO_RJ191_PROGRESSO__0009RIO DE JANEIRO – Fundada em 1952 por Francisco Soares da Costa Filho, o Chiquinho, a Viação Progresso e Turismo opera linhas intermunicipais no Estado do Rio de Janeiro desde 1954, quando conquistou a primeira concessão do DER para fazer viagens entre Vassouras e Barra do Piraí. A empresa está na ativa há seis décadas, sempre em esquema familiar. Três dos oito filhos do fundador comandam a empresa, que tem 110 ônibus em sua frota, atualmente e sede em Três Rios, a 125 km da capital.

A Viação Progresso atende hoje a 65 localidades diferentes entre RJ e MG, operando em cidades como Petrópolis, Três Rios, Volta Redonda, Juiz de Fora, Carangola e Manhuaçu, entre outras. O ônibus da foto é um Caio Cascavel, modelo concebido pela empresa da família do piloto de Fórmula 1 Felipe Massa em 1976, montado em chassi e motor Mercedes-Benz.

A foto é do site Cia. de Ônibus, com seu vasto acervo que vira e mexe aparece aqui no blog.

Ponto de ônibus (35)

CDO_RJ140_FACIL_ 0123RIO DE JANEIRO – Para o carioca subir a serra em direção a Petrópolis de ônibus e conhecer a Cidade Imperial, duas empresas hoje do mesmo grupo fazem a rota entre o Rio e a Região Serrana: a Transportes Única Petrópolis e a Fácil Transporte e Turismo. Hoje ambas fazem parte do poderoso Grupo Guanabara, que tem 25 empresas de ônibus e atua também no ramo imobiliário, hoteleiro e empresarial.

Quando ainda não eram do grupo, Única e Fácil eram das empresas mais criticadas do transporte coletivo rodoviário, pela falta de conforto nos ônibus. Mas até que o busão da foto não parece tão desconfortável assim. O “Comanche” equipado com toilette a bordo e suspensão a ar vestia com carroceria Nielson Diplomata o conjunto de chassi e motor Scania, como denunciam as rodas. A foto é do site Cia. de Ônibus.

Ponto de ônibus (34)

255688_3099275098865_200517317_nRIO DE JANEIRO – Com certeza este modelo de ônibus marcou a infância e a história de muita gente. Especialmente de quem se serviu da linha Rio-São Paulo nos anos 60/70. Aí está uma foto do Caio Gaivota encarroçado pela Única Auto Ônibus, que foi concessionária de uma das principais rotas entre cidades do país via terrestre.

Como curiosidade, o ônibus tinha duas placas, ainda no tempo em que se usava três séries de dois dígitos e não havia letras de identificação. Uma do estado da Guanabara e outra de São Paulo, para a circulação pela Via Dutra.

Outros tempos…